Teve lugar ontem, dia 10 de outubro, no Palácio Marqueses da Praia e Monforte, no Parque Adão Barata em Loures, uma reunião do Interreg Sudoe ClimACT, com o objetivo de esclarecer dúvidas e apresentar o desenvolvimento do projeto a todas as escolas piloto da região de Lisboa.

ESTeSL participa em reunião do projeto Interreg Sudoe ClimACT

A reunião contou com a presença de elementos da equipa do projeto Interreg Sudoe ClimACT, nomeadamente do Instituto Superior Técnico (que coordena) e da Associação Bandeira Azul da Europa, assim como da Câmara Municipal de Loures na qualidade de membro do Conselho Consultivo, sendo, para todos os efeitos, o concelho ao qual pertencem a maioria das escolas portuguesas participantes no projeto.

Tendo em conta o objetivo da reunião, a presença das escolas era um imperativo. Para além da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL-IPL) que se fez representar pelo professor Vítor Manteigas, coordenador Eco-Escolas e coordenador Baixo Carbono, participaram ainda a EB1 do Prior Velho, que se fez acompanhar pela Escola Secundária de Sacavém na qualidade de sede de agrupamento, a EB23 Maria Veleda, a EB23 General Humberto Delgado e a Escola Secundária José Cardoso Pires, faltando apenas a EB23 Mário de Sá Carneiro.

Para além de se ter feito um ponto de situação, relativamente às atividades entretanto desenvolvidas, tanto pela equipa do projeto como pelas escolas ClimACT (dando-se ênfase às boas práticas), foram elencados os momentos e respetivas ações a considerar para o ano letivo em curso, cujo cumprimento irá garantir, para além de outros inúmeros benefícios para as escolas, a continuidade da atribuição do Galardão Eco-Escolas.

Posto isto, novas atividades e novos desafios se avizinham para os elementos da Comissão Baixo Carbono/Conselho Eco-Escolas, para a Brigada Baixo Carbono e, naturalmente, para toda a comunidade académica da ESTeSL-IPL.

Ontem, dia 27 de setembro de 2017, uma comitiva da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL), da qual faziam parte estudantes e docentes, representando a comunidade académica, participou em mais um Dia das Bandeiras Verdes, que este ano decorreu em Mafra, onde recebeu o seu sétimo galardão Eco-Escolas, a Bandeira Verde.Dia das Bandeiras Verdes 2017

À semelhança dos anos anteriores, ESTeSL foi responsável por, em conjunto com a Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra, dinamizar uma atividade de fotografias criativas que garantiu animação aos milhares de participantes no Dia das Bandeiras Verdes.

Muito do trabalho desenvolvido ao longo do ano, e que culminou com a atribuição da Bandeira Verde, foi da responsabilidade de estudantes e docentes de Saúde Ambiental, tendo-se recebido ainda os prémios correspondentes aos lugares conseguidos nos projetos/desafios:

O momento mais esperado do dia teve lugar quando a estudante Inês Ferreira, membro do conselho Eco-Escolas e da Comissão Baixo Carbono, em representação dos estudantes do curso de licenciatura em Ortoprotesia, recebeu, em nome da ESTeSL, a Bandeira Verde.

A delegação da ESTeSL que se deslocou a Mafra em carpool, regressou a Lisboa já no fim do dia e trouxe na bagagem a sétima Bandeira Verde, perspetivando-se para breve o seu hastear na Praça da Saúde.

Parabéns a toda a comunidade académica, em especial ao Conselho Eco-Escolas e à equipa de docentes e estudantes que têm vindo a contribuir de forma inegável para uma educação ambiental para a sustentabilidade, de mérito, na nossa escola.

Na próxima sessão das “Conversas na Aldeia Global“, dedicadas ao caminho para um futuro sustentável e à Agenda 2030, que terá lugar já amanhã, dia 14 de setembro, às 21h30m, no Auditório da Biblioteca Municipal de Oeiras, com moderação de Vasco Trigo, Luísa Schmidt irá falar sobre “Ambientes de Mudança

Conversas na Aldeia Global | Futuro Sustentável: Ambientes de Mudança, com Luísa Schmidt

Pretende-se discutir em que medida estão a surgir «Ambientes de Mudança» e com enfoque nas nove áreas do ambiente abordadas no seu mais recente livro — águas, resíduos, ar, alterações climáticas, energia, território, conservação da Natureza, mar e cidadania.

Numa perspetiva ambiental, recuperam-se alguns dos problemas que compõem as agendas nacionais e internacionais e de difícil resolução, caso dos grandes incêndios deste verão que cíclica e tragicamente devastam o país, da poluição dos rios, da ocupação do litoral ou da suburbanização imparável.

Luisa Schmidt é investigadora no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, onde leciona e desenvolve vários projetos que articulam ciências sociais e ambiente. Membro do Conselho Nacional de Ambiente e Desenvolvimento Sustentável e do European  Environment Advisory Council. Faz parte do núcleo de fundadores do OBSERVA: Observatório de Ambiente, Sociedade e Opinião Pública. É autora da série televisiva «Portugal, um Retrato Ambiental» e de diversos livros na área do ambiente. Com a coluna «Qualidade Devida» que mantém no Jornal Expresso desde 1990, tem contribuído para a divulgação e debate dos problemas ambientais.

A Semana Europeia da Mobilidade (European Mobility Week), lançada a 19 de abril de 2002, durante a Semana Verde, em Bruxelas, pela Comissária para o Ambiente e com o apoio político e financeiro da Comissão Europeia, é uma parceria entre a Coordenação Europeia, as Autoridades locais e a Comissão Europeia.

Semana Europeia da Mobilidade (de bicicleta para o trabalho, bike to work day)Todos os anos, 16 a 22 de setembro, os cidadãos europeus têm a oportunidade de usufruir de uma semana pejada de atividades dedicadas à mobilidade sustentável, tendo como objetivo promover e facilitar um debate a larga escala sobre a necessidade imperiosa de mudar comportamentos no que diz respeito à mobilidade e, em particular, em relação à utilização do automóvel particular.

Entretanto, ainda em 2000, a campanha do “Dia Europeu sem Carros” surgiu na sequência de uma diretiva europeia (Directiva 96/62/CE do Conselho de 27 de Setembro de 1996) relativa à avaliação e gestão da qualidade do ar ambiente, com enfoque nas cidades. Tendo em conta os crescentes problemas relacionados com o uso do automóvel, vários países da União Europeia, incluindo Portugal, lançaram esta iniciativa pela primeira vez à escala europeia em 22 de setembro daquele ano.

A Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) tem vindo, desde alguns anos a esta parte, a promover atividades associadas à mobilidade sustentável (tema trabalhado no âmbito do Programa Eco-Escolas e do projeto Interreg Sudoe ClimACT) e este ano, integrado na Semana Europeia da Mobilidade, e durante os dias de aulas (de 18 a 22 de setembro), o desafio é… vem de bicicleta para a ESTeSL!

Galardão Eco-Escolas (Bandeira Verde 2016-2017)
Já está disponível no portal da Associação Bandeira Azul da Europa (ABAE), na área de acesso restrito aos coordenadores do Programa Eco-Escolas, a indicação de que a Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) foi novamente reconhecida enquanto Eco-Escola.

Este ano, a atribuição do Galardão Eco-Escolas, a Bandeira Verde, surge também na sequência da nossa participação no projeto Interreg Sudoe ClimACT e de todo o trabalho entretanto desenvolvido. Relembramos ainda que este ano fomos, pela primeira vez, sujeitos à auditoria de qualidade, tornando-nos na primeira instituição de ensino superior a passar por este processo, do qual ainda não sabemos o resultado.

A “aventura” começou ano letivo de 2010/2011 e desde então nunca mais parou.  Este ano conseguiu-se, pelo sétimo ano consecutivo, conquistar mais um galardão que iremos receber no Encontro Nacional “Dia das Bandeiras Verdes“, no dia 27 de setembro, em Mafra.

A atribuição deste sétimo galardão vem reconhecer o trabalho de mérito que temos vindo a desenvolver ao longo destes anos, em prol de uma educação para a sustentabilidade, de qualidade, e que este ano foi também, à semelhança dos anos anteriores, objeto da atribuição de vários prémios (ver “A ESTeSL, a Geodiversidade e a Geração Depositrão, pois então!“).

Parabéns a toda a comunidade académica da ESTeSL e aos membros do Conselho Eco-Escolas e da Comissão Baixo Carbono um agradecimento especial, assim como a todos os parceiros que desde 2010 têm contribuído para a concretização deste sonho.

Associado à Geração Depositrão, e para além da atividade criativa em que a Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) foi uma das vencedoras, este ano a quantidade de Resíduos de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos (REEE) encaminhados para destino adequado atingiram valores recorde, um pouco superiores aos registados no ano letivo 2012/2013 (ver também ESTeSL (mais uma vez!) na Geração Depositrão).

ESTeSL garante tratamento adequado a mais de três toneladas de REEE

Do total das mais de 400 escolas que este ano participaram na recolha de REEE, culminando com um total de cerca de 413 toneladas de resíduos, a ESTeSL ficou colocada na décima oitava posição com a entrega de 3669 quilogramas que incluíram resíduos proveninente de um processo de abate de equipamento, assim como algum (muito!) equipamento elétrico e eletrónico, lâmpadas, pilhas e acumuladores portáteis entregues por toda a comunidade académica.

A quantidade de resíduos encaminhados pela ESTeSL, contribuiu ainda para que a ERP Portugal (entidade gestora de REEE) entregasse um donativo de 45€ à Operação Nariz Vermelho. Na edição deste ano, e fruto da parceria estabelecida entre a ERP Portugal e a Operação Nariz Vermelho, no âmbito da Geração Depositrão, as cerca de 413 toneladas recolhidas significaram um donativo total superior a 6000€ (por cada tonelada de resíduos, a ERP Portugal comprometeu-se a doar 15€ à Operação Nariz Vermelho).

E é (também) por isso que aqui vos deixamos três toneladas de “obrigados” a tod@s…

Este foi um ano intenso onde, para além dos Programas Eco-Escolas e Jovens Repórteres para o Ambiente, o projeto Interreg Sudoe ClimACT acabou por ocupar algum do nosso tempo e “sorver” muitas das nossas energias.

Entretanto, as notícias associadas à participação da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) em alguns dos projetos e desafios a que nos propusemos este ano começam a chegar.

Já vos havíamos dado conta de que na sequência da participação da ESTeSL no Litter Less Campaign, fomos selecionados para representar Portugal no concurso internacional e acabámos por participar na Missão Litter Less na Reserva Mundial de Surf (Ericeira, Portugal), fruto do trabalho dos estudantes Beatriz Luz, Hugo Silva e Sofia Coelho. Agora, findo que está o processo de avaliação de todos os trabalhos submetidos aos diferentes projetos e desafios associados ao Programa Eco-Escolas e Jovens Repórteres para o Ambiente, podemos adiantar-vos de que o trabalho desenvolvido pelos estudantes da ESTeSL foi, mais uma vez, objeto de reconhecimento.

Para além da Menção Honrosa atribuída à fotorreportagem “Dejetos na via pública: um problema de saúde pública“, das estudantes do primeiro ano do curso de licenciatura em Saúde Ambiental, Jéssica Moreira, Laura Fernandes e Suazilene Ferreira, submetida ao Jovens Repórteres para o Ambiente, ficámos a saber por estes dias que mais trabalhos terão sido premiados.

No desafio “Descobre a tua Geodiversidade”, numa parceria entre o Programa Eco-Escolas e o Comité Nacional para o Programa Internacional de Geociência da UNESCO, as estudantes Ana Roque e Patrícia Duarte do terceiro ano do curso de licenciatura em Saúde Ambiental, realizaram uma vídeo-reportagem acerca do geossítio identificado no Bairro da Mata (Vila Franca de Xira), tendo sido um dos trabalhos premiados (ver A Saúde Ambiental aventurou-se no “Descobre a tua Geodiversidade”).

Igualmente premiada foi a fotorreportagem das estudantes do segundo ano do curso de licenciatura em Saúde Ambiental Beatriz Luz, Catarina Nunes e Felícia Silva, realizada para uma das atividades criativas da Geração Depositrão e que abordou a gestão de resíduos de equipamentos elétricos e eletrónicos com enfoque naquele que tem sido o papel da ESTeSL em garantir o encaminhamento adequado deste tipo de resíduos, tanto dos resíduos produzidos na escola como os recebidos no Depositrão (ver ESTeSL (mais uma vez!) na Geração Depositrão).

Ao longo dos últimos sete anos, e associado ao Programa Eco-Escolas e Jovens Repórteres para o Ambiente, temos desafiado os estudantes a realizarem trabalhos, no âmbito (ou não!) de unidades curriculares. Em relação aos estudantes do curso de licenciatura em Saúde Ambiental, para além das competências a adquirir e desenvolver, associadas ao seu perfil de saída, são desenvolvidas outras competências (as chamadas soft skills) que serão de extrema relevância para qualquer área profissional das profissões de diagnóstico e terapêutica.

Se achas que estes desafios não são para ti, desengana-te!!

Para o próximo ano contamos contigo. “Atira-te” e vem fazer parte de uma equipa vencedora!




Introduza o seu e-mail


Janeiro 2018
S T Q Q S S D
« Nov    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  
Categorias
Parceiros