Archive for the ‘Vídeo’ Category

A Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL-IPL) voltou a marcar presença na rubrica “Vida Verde” do programa “Manhãs na TV”, com a participação do professor Vítor Manteigas, coordenador dos programas Eco-Escolas e Jovens Repórteres para o Ambiente e coordenador Baixo Carbono, no âmbito do projeto Interreg Sudoe ClimACT.

Nesta terceira participação, o tema de conversa foi o Programa Eco-Escolas, tendo-se feito alusão aos sete passos associados à metodologia, assim como a alguma da história das Eco-Escolas em Portugal e no mundo, não deixando de se referir aquela que é a sua implementação nos diferentes níveis de ensino e as mais-valias daí decorrentes.

Muito obrigado a toda a equipa do “Manhãs na TV”, nas pessoas do Ricardo Lourenço e da Fátima Nunes, por continuarem a apostar na participação do “Eco-Escolas ESTeSL” na rubrica “Vida Verde”.

A Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL-IPL) volta a vencer uma das atividades criativas da Geração Depositrão!!

A ESTeSL candidatou-se com a submissão de um vídeo de animação sobre “A Carga Máxima protege a Floresta”. Para a realização do vídeo de animação, foi lançado o desafio aos estudantes do curso de licenciatura em Saúde Ambiental para que, no âmbito da unidade curricular de Gestão de Resíduos, realizassem um trabalho que cumprisse os requisitos definidos para o desafio “A Carga Máxima protege a Floresta”. A turma foi dividida em grupos de trabalho que, após a abordagem ao fluxo específico de resíduos de pilhas e acumuladores portáteis, prepararam guiões para os vídeos que se propuseram fazer. No total, foram envolvidos 34 estudantes e o professor responsável da unidade curricular que, após a concretização de todos os vídeos (cinco), selecionou aquele que iria representar a Escola no concurso da Geração Depositrão.

O vídeo apresentado a concurso foi pensado, discutido e elaborado pelas estudantes Ana Margarida Correia, Jéssica Moreira, Susana Camala e Suazilene Sacramento, tendo por base os critérios definidos para a atividade criativa, associando as pilhas, enquanto resíduo, à floresta e aos riscos decorrentes do seu abandono.

Com uma linguagem simples e de compreensão acessível, tendo em conta o público alvo, vão-se dando algumas indicações que ajudam a interpretar a mensagem que se quer associar à animação e que segue o percurso da “floresta ao prato”, deixando claro os riscos de se deixar as pilhas sem encaminhamento e tratamento adequados. As substâncias nocivas são representadas pelos metais pesados que têm um efeito cumulativo na cadeia alimentar, fazendo o percurso desde a floresta até ao prato, passando pelos rios, oceanos, algas e peixes.

A mensagem a reter é… Pilhas na floresta… NÃO!

Os estudantes do curso de licenciatura em Saúde Ambiental da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL-IPL), Cláudia Rodrigues, Fábio Costa e Tiago Pontes, realizaram uma vídeo-reportagem associado ao projeto Remedio Interreg MED e que irá integrar os trabalhos realizados pela ESTeSL a submeter ao Programa Jovens Repórteres para o Ambiente.

O projeto REMEDIO Interreg MED, que visa testar medidas de baixo teor de carbono em quatro cidades europeias: Loures, Treviso, Split e Salónica, irá colocar em prática o conceito de mobilidade sustentável e, cumulativamente, promover avaliações de qualidade do ar, de ruído e de tráfego. Em Portugal, Loures foi o município selecionado, sendo a Avenida de Moscavide, a área onde têm vindo a ser implementadas as medidas preconizadas no âmbito do projeto e promovida a monitorização da qualidade do ar, indicador que se pretende melhorar e fixar em valores aceitáveis e seguros.

O trabalho Um “REMEDIO” para os problemas de mobilidade, dá a conhecer algumas das melhorias associadas à mobilidade, já realizadas no âmbito do projeto REMEDIO Interreg MED.

As estudantes do curso de licenciatura em Saúde Ambiental da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL), Catarina Ricardo, Felícia Sofia, Inês César e Joana Ferreira, viram o seu trabalho “Colour of Pollution”, ser escolhido para integrar o lote de finalistas do concurso “I LIVE GREEN”, da Agência Europeia do Ambiente, na categoria de Clean Water.

A iniciativa “I LIVE GREEN” desafiou todos os cidadãos europeus a mostrar a sua criatividade e a partilhar as suas ações para ajudar o ambiente, através de pequenos vídeos associados a quatro categorias (alimentação sustentável,  ar limpo, água limpa e zero  desperdício), sabendo-se que algumas das nossas decisões diárias são esforços conscientes para vivermos num ambiente mais limpo e saudável: o que comemos e compramos, como nos deslocamos para o trabalho ou para a escola ou como aquecemos as nossas casas. As nossas escolhas, grandes e pequenas, têm impacte no ambiente e na nossa saúde.

Haverão prémios para os vencedores em cada uma das categorias, que serão determinados por um júri composto por especialistas em comunicação ambiental de toda a Europa, com exceção do Public Choice Award.

Public Choice Award será atribuído pela votação pública que decorre entre 1 e 31 de maio de 2018, sendo os vencedores anunciados a 5 de junho de 2018. Para que o trabalho “Colour of Pollution” venha a receber o prémio de escolha do público, todos os votos contam!

Para votar, basta seguir para a página de votação e escolher o vídeo CLEAN WATER 8. Apesar de só ser possível um voto por pessoa, cada um poderá votar várias vezes, usando equipamentos (computadores, tablets, smartphones) diferentes. Contamos convosco!

The state of the environment around us is affected by many of our daily decisions, ranging from what we eat to how we travel or heat our homes. Some of our day-to-day decisions are made with the intention of minimising negative impacts on the environment, and consequently on our health. What are the small or big actions you take to help the environment?

Many people across Europe are opting for more environment-friendly choices and actions every day. The European Environment Agency (EEA) and its partners have invited European citizens to share their green choices and actions in the form of short videos in the ‘I LIVE GREEN’ competition.

Foi nos passados dias 10 e 11 de novembro, que teve lugar em Mafra a edição deste ano do Seminário Nacional Jovens Repórteres para o Ambiente e onde, naturalmente, a Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL-IPL) marcou presença.

A saída de Lisboa teve lugar ao fim da manhã, depois de garantida a atividade do Global Action Days, com a partilha de viatura entre os docentes e estudantes participantes (professores Ana Monteiro e Vítor Manteigas e estudantes Beatriz Luz, Filipe Vinhais e Hugo Silva).

Esta participação, que aconteceu já pela quinta vez consecutiva, surgiu na sequência do trabalho desenvolvido no Programa Jovens Repórteres para o Ambiente | Young Reporters for the Environment, e que veio a culminar com a atribuição do primeiro lugar na modalidade de vídeo campanha e de uma menção honrosa na categoria de fotografia, no concurso Litter Less Campaign (ver “Beatas no chão… NÃO!” e a participação da ESTeSL na Litter Less Campaign e ESTeSL representa Portugal no concurso internacional Litter Less Campaign), trabalhos dos estudantes Beatriz Luz, Hugo Silva e Sofia Coelho. Garantiu-se ainda a atribuição de uma menção honrosa na modalidade de foto-reportagem no concurso nacional Jovens Repórteres para o Ambiente, com o trabalho “Dejetos na via pública: um problema de saúde pública“, das estudantes Jéssica Moreira, Laura Fernandes e Suazilene Sacramento.

A ESTeSL no Seminário Nacional Jovens Repórteres para o Ambiente 2017

Na edição deste ano do Seminário Nacional Jovens Repórteres para o Ambiente, os estudantes e professores participantes integraram grupos de trabalho distintos que culminaram na preparação de artigos de índole jornalístico, de foto-reportagens e de vídeo-reportagens, associados às saídas de campo que tiveram lugar na tarde de sexta-feira. As saídas de campo em que a comitiva da ESTeSL participou, realizadas em simultâneo, foram: (i) Vale do Lizandro; (ii) Tratolixo; (iii) Reserva Mundial de Surf; e (iv) Mosteiro de Mafra e Jardim do Cerco. Decorreu ainda uma visita ao Centro de Recuperação do Lobo Ibérico mas na qual não houve a participação de nenhum elemento da escola.

Este foi um fim-de-semana intenso, de muito trabalho, com os estudantes da ESTeSL a terem um papel relevante nos grupos de trabalho em que participaram, mas também com muita diversão, muitas novas amizades e excelentes ideias para os desafios que se aproximam, tendo como mote a Saúde e o Ambiente e que em breve anunciaremos. Este ano haverão Missões Jovens Repórteres muito interessantes, como sempre!

Para finalizar, deixamos uma nota de destaque à organização (parabéns a toda a equipa da Associação Bandeira Azul da Europa) e um cumprimento especial à comitiva da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra (ESTeSC) com a qual temos vindo a criar sinergias (e boas energias) para a concretização de alguns trabalhos conjuntos.

Este foi um ano intenso onde, para além dos Programas Eco-Escolas e Jovens Repórteres para o Ambiente, o projeto Interreg Sudoe ClimACT acabou por ocupar algum do nosso tempo e “sorver” muitas das nossas energias.

Entretanto, as notícias associadas à participação da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) em alguns dos projetos e desafios a que nos propusemos este ano começam a chegar.

Já vos havíamos dado conta de que na sequência da participação da ESTeSL no Litter Less Campaign, fomos selecionados para representar Portugal no concurso internacional e acabámos por participar na Missão Litter Less na Reserva Mundial de Surf (Ericeira, Portugal), fruto do trabalho dos estudantes Beatriz Luz, Hugo Silva e Sofia Coelho. Agora, findo que está o processo de avaliação de todos os trabalhos submetidos aos diferentes projetos e desafios associados ao Programa Eco-Escolas e Jovens Repórteres para o Ambiente, podemos adiantar-vos de que o trabalho desenvolvido pelos estudantes da ESTeSL foi, mais uma vez, objeto de reconhecimento.

Para além da Menção Honrosa atribuída à fotorreportagem “Dejetos na via pública: um problema de saúde pública“, das estudantes do primeiro ano do curso de licenciatura em Saúde Ambiental, Jéssica Moreira, Laura Fernandes e Suazilene Ferreira, submetida ao Jovens Repórteres para o Ambiente, ficámos a saber por estes dias que mais trabalhos terão sido premiados.

No desafio “Descobre a tua Geodiversidade”, numa parceria entre o Programa Eco-Escolas e o Comité Nacional para o Programa Internacional de Geociência da UNESCO, as estudantes Ana Roque e Patrícia Duarte do terceiro ano do curso de licenciatura em Saúde Ambiental, realizaram uma vídeo-reportagem acerca do geossítio identificado no Bairro da Mata (Vila Franca de Xira), tendo sido um dos trabalhos premiados (ver A Saúde Ambiental aventurou-se no “Descobre a tua Geodiversidade”).

Igualmente premiada foi a fotorreportagem das estudantes do segundo ano do curso de licenciatura em Saúde Ambiental Beatriz Luz, Catarina Nunes e Felícia Silva, realizada para uma das atividades criativas da Geração Depositrão e que abordou a gestão de resíduos de equipamentos elétricos e eletrónicos com enfoque naquele que tem sido o papel da ESTeSL em garantir o encaminhamento adequado deste tipo de resíduos, tanto dos resíduos produzidos na escola como os recebidos no Depositrão (ver ESTeSL (mais uma vez!) na Geração Depositrão).

Ao longo dos últimos sete anos, e associado ao Programa Eco-Escolas e Jovens Repórteres para o Ambiente, temos desafiado os estudantes a realizarem trabalhos, no âmbito (ou não!) de unidades curriculares. Em relação aos estudantes do curso de licenciatura em Saúde Ambiental, para além das competências a adquirir e desenvolver, associadas ao seu perfil de saída, são desenvolvidas outras competências (as chamadas soft skills) que serão de extrema relevância para qualquer área profissional das profissões de diagnóstico e terapêutica.

Se achas que estes desafios não são para ti, desengana-te!!

Para o próximo ano contamos contigo. “Atira-te” e vem fazer parte de uma equipa vencedora!

Litter Less Campaign é um projeto internacional coordenado pela Foundation for Environmental Education (FEE), que desafia jovens de 9 países da rede Jovens Repórteres para o Ambiente a observar, interpretar, reportar e encontrar soluções mais sustentáveis para a problemática dos resíduos e que em Portugal vai já na sua terceira edição.

Depois das participações anteriores (ver #LitterLessCampaign), este ano os estudantes do curso de licenciatura em Saúde Ambiental da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL), Beatriz Luz, Hugo Silva e Sofia Coelho, decidiram explorar um dos problemas ambientais que assolam a orla costeira portuguesa, realizando uma pequena vídeo-reportagem sobre os resíduos de cigarros e as nossas praias (Beatas no chão… NÃO!), entretanto submetida a concurso.

Estima-se que por minuto, o mercado mundial produza perto de 11 milhões de cigarros para dar resposta ao consumo de cerca de 4,5 triliões de cigarros em todo o mundo. Em Portugal, são vendidos mil milhões de cigarros por mês e, assumindo-se que 30% das beatas destes cigarros vão parar ao chão, significa que teremos, a cada minuto, mais 7000 beatas nas ruas portuguesas. Atualmente, sabe-se que as beatas de cigarro são o resíduo que podemos encontrar em maior quantidade nas nossas praias, sendo que as micropartículas, assim como os metais pesados existentes nas beatas, tendem a entrar num ciclo que afeta todo o ecossistema: terra, mar, ar e naturalmente, os animais e os seres humanos. Por todos estes motivos, importa sensibilizar a população em geral, e os fumadores em particular, fazendo-se o diagnóstico daquela que é a realidade nas praias portuguesas, identificando as causas e apontando soluções que tendem a ser estruturais mas que implicam, invariavelmente, a educação para a cidadania.




Introduza o seu e-mail


Dezembro 2018
S T Q Q S S D
« Nov    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  
Categorias