Archive for the ‘Transportes’ Category

Os transportes e a mobilidade dão um contributo significativo para as emissões de gases de efeito de estufa, para o fenómeno das alterações climáticas e para a qualidade do ar, com especial relevância nas cidades. A mobilidade elétrica apresenta-se como a alternativa a considerar, apresentando ainda assim algumas desvantagens que tendem a esbater-se com o desenvolvimento tecnológico. Atualmente, há já cidades (e países!) que apostam nesta “outra mobilidade” de forma a trilhar o caminho rumo à sustentabilidade.

Hoje em dia, há cada vez mais a necessidade de garantir a nossa mobilidade, assim como o transporte de bens, o que fomenta a indispensabilidade de viaturas.

Dentro da poluição total mundial, cerca de 40% é proveniente do uso de veículos – como por exemplo, automóveis. Por esta razão, é inevitável procurar outras formas de energia.

Na Europa, o setor dos transportes é o único onde se tem verificado um aumento das emissões de CO2 desde 1990. Cerca de 25% da poluição total da Europa é devida aos transportes em geral, sendo os rodoviários os mais poluentes, com 19% do total de emissões (EDP).

Posto de abastecimento de viaturas elétricas.

A aposta nos veículos elétricos é caracterizada como sendo benéfica, na medida em que diminui os gases emitidos para atmosfera e, tende a fazer uso de energia de fontes renováveis (nomeadamente a proveniente do sol e do vento). Para além disso, o custo de cada quilómetro é mais baixo (gasóleo, 1.49€ vs elétrico, 0.20€), sendo também mais silenciosos, diminuindo a poluição sonora (Cooperativa Elétrica do Vale d’Este).

Por outro lado, é necessário ter a noção das atuais desvantagens no que diz respeito aos aspetos económicos, porquanto os custos diretos associados à aquisição de uma viatura elétrica são mais elevados do que os associados às viaturas convencionais. Adicionalmente, a distância que estes carros conseguem percorrer sem carregar as baterias é menor, comparando com os que usam combustíveis fósseis. Outra questão a considerar é o ainda diminuto número de postos de carregamento que estão, na sua generalidade, associados às grandes cidades.

Para tentar reduzir as emissões ao máximo, cidades como Madrid e Paris já anunciaram que, até 2025, vão impedir a entrada de veículos nos centros urbanos, assim como proíbem – até 2040 – a venda de novos veículos com motores de combustão.

Em Portugal, alguns distritos como Braga, Coimbra, Faro e Aveiro estão a promover o uso de autocarros elétricos como alternativa aos transportes tradicionais. Estes autocarros usam um carregador de 150 W – o primeiro em Portugal e mais cinco carregadores de 40 W, obtendo uma autonomia de 100 km, carregando em 7 minutos (Motor24).

Em outras cidades, nomeadamente Lisboa, começou-se a apostar nas trotinetes e nas bicicletas elétricas, promovendo também a prática de exercício físico. As várias empresas que operam na capital contribuem para as cerca de 500 a 700 trotinetes que circulam nas ruas de Lisboa (Repairstore).

Apesar de ainda haver alguns constrangimentos acerca deste tema, a Agência Internacional da Energia estima que em 2030 haja cerca de 56 milhões de veículos elétricos, um número pré-estabelecido tendo em conta a meta do acordo de Paris, de 2015. Assim, em 2050 prevê-se que se reduza cerca de 80% das emissões de gases com efeito de estufa (Agência Internacional de Energia).

Outra mobilidade, em nome da sustentabilidade…” é um artigo da autoria das estudantes do primeiro ano do curso de licenciatura em Saúde Ambiental da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL), Beatriz Delgado, Ediane Silva e Joana Ramos, publicado na plataforma Jovens Repórteres para o Ambiente.

Integrado no Interreg Sudoe ClimACT, projeto onde a Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) tem vindo a participar na qualidade de escola-piloto, aplicando a metodologia de trabalho que lhe está subjacente, numa perspectiva de transição para uma economia de baixo carbono, teve lugar nos dias 9 e 10 de maio, o evento final que juntou todas as entidades parceiras, stakeholders e escolas de Portugal, Espanha, França e Gibraltar, com a presença de cerca de 150 participantes.

ESTeSL acolheu evento final do projeto Interreg Sudoe ClimACT

No primeiro dia do evento, que teve lugar da ESTeSL, houve comunicações asseguradas pelos elementos representantes das entidades beneficiárias e membros da equipa técnica, distribuídas pelas várias sessões (ferramentas para a gestão de energia nas escolas; boas práticas em escolas baixo carbono; educação para sustentabilidade; e soluções baixo carbono), assim como comunicações de várias entidades convidadas a partilhar a sua experiência, conhecimento e competência nas temáticas do projeto.

Paralelamente, os estudantes das escolas integrantes no projeto, tiveram a oportunidade de participar em workshops temáticos (dança, teatro, cenários e música), que serviram de base para a performance final deste primeiro dia de trabalhos, que contou ainda com Filipe Pinto, músico, compositor e intérprete que partilhou o palco com os cerca de 70 estudantes. No fim das sessões em auditório, houve ainda lugar para uma visita a algumas das zonas características do Parque das Nações e desconhecidas para a generalidade dos participantes estrangeiros.

O segundo dia foi passado no Parque Urbano de Santa Iria da Azóia, Loures, onde as escolas dos países participantes partilharam algumas das suas experiências dos três anos de projeto e onde tiveram ainda a oportunidade de participar em várias atividades temáticas.

Muito do sucesso que foi reconhecido ao evento final do projeto Interreg Sudoe ClimACT, deve-se também à nossa Presidência, que desde o primeiro momento se mostrou disponível para acolher na ESTeSL este evento. Igualmente importante foi todo o contributo dos estudantes da ESTeSL que se voluntariaram para trabalhar afincadamente para o sucesso desta iniciativa, nomeadamente: Catarina Anastácio, Diana Narciso, Eduarda Rodrigues, Fabiana Clérigo, Inês Andrade, Inês César, Irene Morais, João Anjos, Mariami Gasviani, Marta Amaral, Pedro Pena e Sandra Ferreira.

Para terminar, deixamos também um agradecimento sentido à Carla Marques, representante dos Serviços de Ação Social do Instituto Politécnico de Lisboa no Conselho Eco-Escolas/Comissão Baixo Carbono, que em muito contribuiu para a ementa vegetariana e ovolactovegetariana disponibilizada a todos os participantes.

Muito obrigado a tod@s!

 

A Associação Bandeira Azul da Europa convida toda a comunidade Eco-Escolas a votar no(s) poster(es) Eco-Código que mais forem do vosso agrado para que, em cada escalão, os que vierem a ter mais mais “LIKES” sejam premiados com o Prémio Comunidade Virtual.

A Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL-IPL), sendo escola-piloto do projeto Interreg Sudoe ClimACT, tem a concurso um poster com o seu Código Climático e o vosso “voto” pode fazer a diferença.

Para poderem contribuir para o sucesso do Código Climático da ESTeSL neste desafio na comunidade virtual, basta terem um perfil registado no Facebook e, depois de acederem ao nosso poster Eco-Código e Código Climático (clicar AQUI), deixar o vosso “LIKE”. Em alternativa poderão “GOSTAR” fazendo uso da imagem incorporada nesta publicação.

Contamos convosco!

Para a realização do projeto submetido ao Concurso Nacional Poster Eco-Código / Código Climático 2018, foi proposto a um grupo específico de estudantes que, no âmbito do Programa Eco-Escolas e unidade curricular de Estágio em Saúde Ambiental I e, em conjunto com o professor responsável, a elaboração de um póster Código Climático em que estivessem contemplados os temas-base no âmbito do projeto Interreg Sudoe ClimACT (água, resíduos, energia, espaços verdes/floresta, mobilidade e compromisso verde) e pelo menos um dos temas facultativos (alimentação saudável e sustentável), indo de encontro também ao Plano de Ação previamente definido.

Foi pedido a cada um dos membros da Comissão Baixo Carbono que, com a colaboração dos colegas dos respetivos cursos de licenciatura (no caso dos estudantes), sugerissem frases tendo em conta os pressupostos anteriores, visando a criação ou alteração de atitudes e comportamentos conducentes à melhoria do ambiente tanto na escola como em casa. As inúmeras frases propostas foram sujeitas a votação e seriação, das quais resultaram as apresentadas no poster.

Este ano, e de forma a garantir uma vinculação efetiva ao projeto Interreg Sudoe ClimACT, optou-se por fazer-se uso da imagem do projeto, depois da devida autorização por parte de equipa coordenadora. Ambas as etapas foram realizadas sob orientação do professor responsável pelo grupo de trabalho e coordenador Eco-Escolas/Baixo Carbono, e sendo igualmente sujeita à “ratificação” dos elementos do Conselho Eco-Escolas/Comissão Baixo Carbono.

Hoje deu-se início a um novo desafio proposto pela equipa de produção da Kuriakos TV e que conta com a participação do professor Vítor Manteigas, coordenador dos Programas Eco-Escolas e Jovens Repórteres para o Ambiente da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL-IPL) e Coordenador Baixo Carbono no âmbito do projeto Interreg Sudoe ClimACT.

A Eco-Escola ESTeSL na "Vida Verde"
Hoje deu-se início à “Vida Verde“, uma nova rubrica do programa Manhãs na TV, onde se irão promover boas práticas ambientais, assim como divulgar algum do trabalho de mérito que se tem feito de forma continuada ao longo dos últimos anos e que poderá servir de exemplo para melhorar o ambiente.

O mote para este primeiro episódio (que em breve divulgaremos) foi a problemática dos resíduos plásticos e aquilo que estará na sua génese, assim como qual poderá ser o contributo de cada um de nós para obviar este problema. Contudo, e porque se começou por fazer uma “sinopse” do trabalho que temos vindo a fazer nos últimos anos, muito (quase tudo!) ficou por dizer e certamente que iremos, num futuro próximo, recuperar este tema.

Na passada terça-feira, dia 22 de maio, aquando da celebração do Dia Internacional da Biodiversidade, demos ao pedal com a Ana Pereira, do Cenas a Pedal, e caminhámos pelo Parque das Nações, à descoberta de algumas das zonas verdes, na companhia do Paulo Calisto, da Junta de Freguesia do Parque das Nações.

Logo ao início da tarde, começámos as atividades com uma sessão onde a Ana  Pereira desmistificou o uso da bicicleta e nos deixou algumas sugestões para que a transição entre o uso exclusivo do veículo automóvel e a bicicleta (elétrica, ou não!) fosse “tranquila”, aludindo aos múltiplos  benefícios associados ao seu uso. Falou-nos ainda da Bicicultura, um projecto mais colectivo que “fomenta o uso da bicicleta para transporte, trabalho, lazer e terapia por todos os segmentos da população, para o bem-estar das pessoas e o desenvolvimento sustentável” e ao qual o Cenas a Pedal está associado.

Logo depois, a Escola de Bicicleta do Cenas a Pedal proporcionou-nos uma experiência onde, a pedalar, aprendemos algumas técnicas que serão, certamente, uma mais-valia para quem se “aventurar” no mundo da mobilidade suave.

Caminhar e pedalar pela biodiversidade, com o Cenas a Pedal e a Junta de Freguesia do Parque das Nações

Por fim, deixaram-nos o convite para que nos juntássemos a eles, no passeio e piquenique conjunto d’A Casa da Bicicultura/MUBi (Associação pela Mobilidade Urbana em Bicicleta), que terá lugar este domingo, dia 27 de maio. Trata-se de um encontro social, sem inscrições, mas quem quiser poderá aproveitar a oportunidade para contribuir com um donativo livre para a constituição oficial daquela cooperativa, no âmbito da qual se pretende criar um centro de incubação e aceleração da cultura da bicicleta que será A Casa da Bicicultura (ver Passeio de Bicicleta & Piquenique | Casa da Bicicultura & MUBi)

O dia não terminou sem antes ter lugar a ESTeSLa Caminhada pela Biodiversidade, uma organização de um grupo de estudantes do curso de licenciatura em Saúde Ambiental que, à semelhança da atividade precedente, contou com a participação de estudantes, docentes e não docentes da comunidade académica da ESTeSL-IPL. No decurso da caminhada, sempre na companhia de Paulo Calisto que esteve connosco na qualidade de representante da Junta de Freguesia do Parque das Nações, tivemos a oportunidade de descobrir algumas das zonas verdes e paragens icónicas pensadas e construídas a propósito da Expo’98 que naquele dia também celebrava os seus 20 anos.

Muito obrigado aos parceiros, (o Cenas a Pedal e a Junta de Freguesia do Parque das Nações) que nos honraram com a sua presença e duplamente obrigado aos que nos acompanharam nas atividades daquela tarde. Bem hajam…

Será já no próximo dia 22 de maio, pelas 15h00m, na sala 1.5 da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL), que teremos o privilégio de ter entre nós a Ana Pereira, da Cenas a Pedal, que nos irá colocar algumas perguntas pertinentes e às quais urge responder.

Numa parceria entre a ESTeSL, a Cenas a Pedal e a BiciCultura, convidamos toda a comunidade académica a assistir à palestra Trocar o carro pela bicicleta… elétrica?.

Vem saber porquê, como e quando trocar o carro pela bicicleta (elétrica ou não!), fazendo com que as tuas deslocações casa/escola se tornem a parte mais “fixe” do teu dia.

Imediatamente a seguir à palestra, vem connosco até à Praça da Saúde e participa numa mini-aula prática. Contamos convosco…
Esta será uma atividade que se espera seja a primeira de muitas desenvolvidas com estes parceiros de excelência, dando continuidade ao trabalho que temos vindo a desenvolver no âmbito do Programa Eco-Escolas e do projeto Interreg Sudoe ClimACT, rumo a uma economia de baixo carbono.

Relembramos que às 17 horas poderás dar continuidade a uma tarde de promoção da mobilidade suave, acompanhando-nos a pé, ou de bicicleta, na ESTeSLa Caminhada pela Biodiversidade.

Em pleno Dia Mundial do Ambiente, evento que se celebra anualmente a 5 de junho e que tem como objetivo alertar as populações e os governos para a necessidade de garantir a proteção e a preservação do ambiente, divulgamos o nosso Eco-Código que é cumulativamente o Código Climático, dando assim cumprimento a uma das atividades previstas no projeto ClimACT (#InterregSudoeClimACT).

Poster Eco-Código e Código Climático da ESTeSL (2017)
Estamos a pouco dias de começar uma longa época de avaliações (último momento de avaliação e exames) e a semanas de terminar mais um ano de intenso trabalho associado à implementação do Programa Eco-Escolas e do projeto Interreg Sudoe ClimACT na Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL). Após a adoção da metodologia de trabalho subjacente à sua efetiva implementação, que culmina com a elaboração e divulgação do Eco-Código | Código Climático (Conselho Eco-Escola/Comissão Baixo Carbono, Auditoria Ambiental, Plano de Ação, Monitorização, Trabalho Curricular, Informação e Envolvimento da Comunidade Local e, por último, Eco-Código/Código Climático), apresentamos-vos aquele que é o Poster Eco-Código e Código Climático concebido este ano e cujo conteúdo vai de encontro àquilo que havia sido definido no Plano de Ação.

Feliz Dia Mundial do Ambiente!…




Introduza o seu e-mail


Junho 2019
S T Q Q S S D
« Mai    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
Categorias