Archive for the ‘Política Ambiental’ Category

Conselho Eco-Escola têm um papel relevante a desempenhar, devendo ser entendido como a força motriz do Programa Eco-Escolas em cada uma das escolas participantes, e deve assegurar a execução dos outros seis passos subjacentes à metodologia própria do Programa, nomeadamente: (i) Auditoria Ambiental; (ii) Plano de Ação; (iii) Monitorização; (iv) Trabalho Curricular; (v) Informação e Envolvimento da Comunidade Local; e (vi) Eco-Código.

As competências do Conselho Eco-Escola passam por: (i) implementar a auditoria ambiental; (ii) discutir o plano de acção; (iii) monitorizar e avaliar as atividades; (iv) e coordenar as formas de divulgação do Programa na escola e comunidade. Cunulativamente, desde que a Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL-IPL) passou a integrar o projeto Interreg Sudoe ClimACT, o Conselho Eco-Escola é, cumulativamente, a Comissão Baixo Carbono.

A Comissão Baixo Carbono, tal como o Conselho Eco-Escola, é uma estrutura interna permanente, composta por estudantes (dos nove cursos de licenciatura), docentes, não docentes e outras entidades consideradas relevantes. Deve ser encarado como um fórum para ideias, discussão, propostas, planeamento, monitorização e avaliação e que tem como tarefas: (i) decidir as melhores estratégias para envolver a escola e implementar, monitorizar e avaliar as ações; (ii) definir responsabilidades; e (iii) monitorizar, avaliar e relatar a evolução das condições, comportamentos, conhecimento e competências adquiridas para a economia de baixo carbono na escola.

Hoje tornamos público a constituição do Conselho Eco-Escola e da Comissão Baixo Carbono da ESTeSL para o ano letivo em curso que é, mais uma vez, representativo da comunidade académica (de acordo com o regime de funcionamento) e que integra também elementos da Câmara Municipal de Lisboa, da Escola Superior de Enfermagem de Lisboa, do Jornal “Notícias do Parque”, da Junta de Freguesia do Parque das Nações, da Presidência do Instituto Politécnico de Lisboa (IPL) e dos Serviços de Ação Social do IPL. Esta informação, assim como a constituição da Brigada Baixo Carbono, estará também disponível no sítio institucional da nossa escola, na área dedicada à Política Ambiental (divulgada pela Circular Informativa n.º 27, de 3 de junho de 2011).

Política Ambiental da ESTeSL

Conselho Eco-Escolas | Comissão Baixo Carbono

  • Ana Monteiro, ESTeSL (docente)
  • Ana Sabino, ESTeSL (não docente)
  • António Belo, IPL (Vice-Presidente do IPL)
  • Bela Vilares, ESTeSL (não docente)
  • Catarina Azevedo, ESTeSL (estudante de Saúde Ambiental)
  • Catarina Pereira, ESTeSL (estudante de Ortóptica)
  • Daniel Parreira, ESTeSL (estudante de Saúde Ambiental)
  • Daniela Pasat, ESTeSL (estudante de Imagem Médica e Radioterapia)
  • Emília Batista, Câmara Municipal de Lisboa (Divisão de Sensibilização e Educação Ambiental)
  • Graça Andrade, ESTeSL (Vice-Presidente da ESTeSL)
  • Inês César, ESTeSL (estudante de Saúde Ambiental)
  • Inês Fernandes, ESTeSL (estudante de Saúde Ambiental)
  • Inês Ferreira, ESTeSL (estudante de Ortoprotesia)
  • Joana Belo, ESTeSL (docente)
  • Luísa Rios, ESTeSL (estudante de Fisioterapia)
  • Maria Filomena Abreu de Sousa, Escola Superior de Enfermagem de Lisboa (docente)
  • Mariana Custódio, ESTeSL (estudante de Fisiologia Clínica)
  • Mário Patrício, Junta de Freguesia do Parque das Nações (Presidente da Junta de Freguesia)
  • Miguel Meneses, Notícias do Parque (Diretor)
  • Pedro Martins, ESTeSL (estudante de Farmácia)
  • Pedro Rebelo, ESTeSL (docente)
  • Renata Santos, ESTeSL (estudante de Ortóptica)
  • Rita Pereira, ESTeSL (estudante de Dietética e Nutrição)
  • Rui Serrinha, ESTeSL (Associação de Estudantes da ESTeSL – AEESTeSL)
  • Sara Carmezim, ESTeSL (estudante de Ciências Biomédicas Laboratoriais)
  • Sérgio Figueiredo, ESTeSL (docente)
  • Teresa Torres Martins, SAS/IPL (Administradora dos Serviços de Ação Social do IPL)
  • Vítor Manteigas, ESTeSL (docente)
  • Vladimir Silva, ESTeSL (estudante de Saúde Ambiental)

Agora, finalizada que está a constituição do Conselho Eco-Escola e da Comissão Baixo Carbono, importa dar continuidade aos trabalhos que, nesta primeira fase, e tal como havia ocorrido no último ano (primeiro ano associado ao projeto Interreg Sudoe ClimACT), passa pela aplicação de um questionário comportamental à comunidade académica, sendo este um passo de especial relevância para a elaboração do Plano de Ação. É nesse sentido que contamos com a colaboração de toda a comunidade académica (estudantes, docentes e não docentes), no preenchimento do questionário cuja divulgação será garantida muito em breve.

Decorre entre os dias 19 e 27 de novembro de 2016 (semana em curso), a 8.ª edição da Semana Europeia da Prevenção de Resíduos | European Week for Waste Reduction. Durante esta semana, e por toda a Europa, haverão iniciativas (como conferências, exposições, trabalhos artísticos, ações de rua, feiras e apresentações) para alertar os consumidores, trabalhadores, estudantes e outros grupos, de todas as faixas etárias, para a necessidade de reduzir a produção de resíduos e aumentar a consciência ambiental. As ações deste ano estão, naturalmente, subordinadas aos temas Reduzir, Reutilizar, Reciclar, para além do tema específico do ano: Reduzir as Embalagens!
A Valorsul, enquanto organizadora desta iniciativa na área geográfica onde a Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) se localiza, desafiou-nos a, mais uma vez, apresentar propostas de iniciativas sobre os temas enunciados. Considerando que a ESTeSL é uma Eco-Escola desde o ano letivo 2010-2011 e que desde esse ano tem aderido formalmente à Semana Europeia de Prevenção de Resíduos, o desafio foi aceite com a submissão do REPack.
REPack  é um projeto desenvolvido pelos estudantes do 2.º ano do curso de licenciatura em Saúde Ambiental da ESTeSL e que pode ser seguido durante a semana e posteriormente, na página criada especificamente para o efeito.

REPack

Considerando que a Organização das Nações Unidas declarou 2017 como o Ano Internacional do Turismo Sustentável para o Desenvolvimento, os estudantes do curso de licenciatura em Saúde Ambiental da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) propõe-se a desenvolver um projeto que passa pela sensibilização dos turistas em Lisboa para a necessidade de reduzir a produção de resíduos de uma forma geral, e de embalagens em particular, sem deixar de ter em conta a hierarquia de prioridades estabelecida pela política comunitária em matéria de gestão de resíduos, com enfoque, para além da redução, na reutilização e na reciclagem. O projeto REPack, que tem como mote a REdução, REutilização e REciclagem de resíduos de embalagens, contemplará o desenvolvimento de instrumentos de sensibilização, tais como: (i) página na internet para divulgação da campanha ; (ii) marcador de livros multilingue com mensagens alusivas à prevenção de resíduos; vídeo tutorial sobre boas práticas na compra de bens em supermercado (legendado em diferentes idiomas) e um flashmob a ter lugar em locais relevantes para os turistas.

We REPack… REduce, REuse and REcycle packaging!

Política Ambiental da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL)Os Conselhos Eco-Escolas têm um papel relevante a desempenhar, devendo ser entendidos como a força motriz do Programa Eco-Escolas em cada uma das escolas proponentes, e devem assegurar a execução dos outros seis elementos subjacentes à metodologia própria do Programa, nomeadamente: (i) Auditoria Ambiental; (ii) Plano de Ação; (iii) Monitorização; (iv) Trabalho Curricular; (v) Informação e Envolvimento da Comunidade Local; e (vi) Eco-Código.

De acordo com o definido no Guia Eco-Escola, as competências dos Conselhos Eco-Escolas passam por: (i) implementar a auditoria ambiental; (ii) discutir o plano de acção; (iii) monitorizar e avaliar as atividades; (iv) e coordenar as formas de divulgação do Programa na escola e comunidade mas onde, naturalmente, os professores coordenadores do Programa tendem a agilizar os processos sendo que na Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) os estudantes do curso de licenciatura em Saúde Ambiental têm também um papel relevante a desempenhar.

Hoje tornamos público a constituição do Conselho Eco-Escola da ESTeSL para o ano letivo em curso que é, mais uma vez, representativo da comunidade académica (de acordo com o regime de funcionamento) e que também está disponível no sítio institucional da nossa escola,  na área dedicada à Política Ambiental (divulgada pela Circular Informativa n.º 27, de 3 de junho de 2011).

E os “eco-guerreiros” que este ano irão liderar o Programa Eco-Escolas são:

  • Alexandra Domingos, ESTeSL (Estudante de Dietética e Nutrição)
  • Ana Almeida, ESTeSL (Docente)
  • Ana Cambão, ESTeSL (Estudante de Saúde Ambiental)
  • Ana Cristina Perdigão, IPL (Vice-Presidente do IPL)
  • Ana Monteiro, ESTeSL (Docente)
  • Ana Rodrigues, ESTeSL (Estudante de Radiologia)
  • Ana Sabino, ESTeSL (Não-docente)
  • Catarina Machado, ESTeSL (Estudante de Saúde Ambiental)
  • Cláudia Guerreiro, ESTeSL (Não docente)
  • Cláudia Vilares, ESTeSL (Estudante de Farmácia)
  • Fábio Teixeira, ESTeSL (Estudante de Cardiopneumologia)
  • Fátima Gomes, ESTeSL (Estudante de Medicina Nuclear)
  • Inês Fernandes, ESTeSL (Estudante de Saúde Ambiental)
  • Inês Pires, ESTeSL (Estudante de Anatomia Patológica, Citológica e Tanatológica)
  • Jorge Farromba, Parque das Nações (Residente)
  • Luís Lança, ESTeSL (Vice-Presidente da ESTeSL)
  • Margarida Matias, ESTeSL (Estudante de RT)
  • Maria Filomena Abreu de Sousa, ESEL
  • Cristina Pinto, Câmara Municipal de Lisboa
  • Maria João Ferreira, ESTeSL (Estudante de Saúde Ambiental)
  • Mariana Rito, ESTeSL (Estudante de Ortoprotesia)
  • Rodrigo Batalha, ESTeSL (Estudante de Fisioterapia)
  • Sara Pinto, ESTeSL (Estudante de Ortóptica)
  • Sara Venâncio, ESTeSL (AEESTeSL)
  • Vanda Martins, Câmara Municipal de Lisboa
  • Vanessa dos Santos, ESTeSL (Estudante de Análises Clínicas e Saúde Pública)
  • Vítor Manteigas, ESTeSL (Docente)

Neste momento estamos a últimar a Auditoria Ambiental que implica, no caso da ESTeSL, e dentre outras coisas, a determinação da Pegada Ecológica da comunidade académica, sendo este um passo de especial relevância para a elaboração do Plano de Ação. É nesse sentido que contamos com a colaboração de toda a comunidade académica (discentes, docentes, não-docentes e trabalhadores dos fornecedores a tempo inteiro), no preenchimento do questionário cuja divulgação foi garantida pelos conselheiros.

Política Ambiental da ESTeSLAssociado ao Programa Eco-Escolas, os Conselhos Eco-Escolas de cada uma das instituições de ensino (independentemente do nível de ensino de que estamos a falar) devem ser entendidos como a força motriz do Programa, garantindo a aplicação da metodologia subjacente à sua implementação, nomeadamente: Conselho-Eco-Escolas, Auditoria Ambiental, Plano de Ação, Monitorização, Trabalho Curricular, Informação e Envolvimento da Comunidade Local e Eco-Código, tendo já sido garantida, na Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) a constituição do Conselho Eco-Escolas, de acordo com o regime de funcionamento e com os seguintes elementos:

  • Aldenir Semedo, ESTeSL (Estudante de Ortóptica)
  • Ana Almeida, ESTeSL (Docente)
  • Ana Cambão, ESTeSL (Estudante de Saúde Ambiental)
  • Ana Cristina Perdigão, IPL (Vice-Presidente do IPL)
  • Ana Monteiro, ESTeSL (Docente)
  • Ana Raposo, ESTeSL (Não-docente)
  • Ana Rita Pereira, ESTeSL (Estudante de Dietética e Nutrição)
  • Ana Rodrigues, ESTeSL (Estudante de Radiologia)
  • Ana Sabino, ESTeSL (Não-docente)
  • Catarina Adegas, ESTeSL (Estudante de Análises Clínicas e Saúde Pública)
  • Catarina Machado, ESTeSL (Estudante de Saúde Ambiental)
  • Cláudia Vilares, ESTeSL (Estudante de Farmácia)
  • Cristiana Monteiro, ESTeSL (Estudante de Cardiopneumologia)
  • Fátima Gomes, ESTeSL (Estudante de Medicina Nuclear)
  • Iolanda Martins, ESTeSL (Estudante de Anatomia Patológica, Citológica e Tanatológica)
  • Jorge Farromba, AMCPN (Associação de Moradores e Comerciantes do Parque das Nações)
  • Luís Lança, ESTeSL (Vice-Presidente da ESTeSL)
  • Margarida Matias, ESTeSL (Estudante de Radioterapia)
  • Maria Filomena Abreu de Sousa, ESEL (Escola Superior de Enfermagem de Lisboa)
  • Maria Frias, CML (Câmara Municipal de Lisboa)
  • Mateus dos Santos, ESTeSL (Estudante de Saúde Ambiental)
  • Raquel Silva, ESTeSL (Estudante de Ortoprotesia)
  • Rodrigo Batalha, ESTeSL (Estudante de Fisioterapia)
  • Sara Venâncio, ESTeSL (AEESTeSL)
  • Tiago Faria, ESTeSL (Estudante de Saúde Ambiental)
  • Vanda Martins, CML (Câmara Municipal de Lisboa)
  • Vítor Manteigas, ESTeSL (Docente)

Depois da constituição do Conselho Eco-Escolas, entra-se na fase da Auditoria Ambiental que implica, no caso da ESTeSL, e dentre outras coisas, a determinação da pegada ecológica da comunidade académica, sendo este um passo de especial relevância para a elaboração do Plano de Ação.

Mantenham-se atentos!!… Teremos, em breve, uma pegada ecológica para determinar.

Uma Política Ambiental deve ser entendida como o conjunto das grandes linhas de orientação estabelecidas pela direcção de topo de uma organização, de forma a definir aquele que se perspectiva vir a ser o seu “trilho ambiental”.

Este caminho deve ser explicitado de forma objectiva num documento aprovado pela gestão de topo – a Política Ambiental, para dessa forma evidenciar o seu compromisso e empenho em exercer as suas actividades com respeito pelo ambiente.

Neste documento devem constar explicitamente e de forma cumulativa uma série de compromissos, nomeadamente: (i) de prevenção da poluição; (ii) de melhoria contínua; e (iii) de cumprimento da legislação ambiental.

Assim, e porque nenhuma organização, nomeadamente as de ensino superior, se podem alhear daquele que deve ser o seu papel para uma sociedade participativa e com responsabilidades no garante do desenvolvimento sustentável, também a ESTeSL definiu e torna pública a sua Política Ambiental.

A Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL), integrada no Instituto Politécnico de Lisboa e sedeada no Parque das Nações, tem como missão a excelência do ensino, da investigação e da prestação de serviços no âmbito das ciências da saúde.

A ESTeSL apresenta um conceito de Escola diferenciador, assente numa visão e abordagem multidisciplinar, firmando os seus pilares na promoção dos valores da ética e da cidadania.

No desenvolvimento da sua missão e na observância dos princípios das políticas de ambiente e sustentabilidade, a ESTeSL e a sua comunidade académica comprometem-se a:

  • Promover a melhoria contínua do desempenho ambiental, perspectivando sempre a prevenção da poluição e a promoção da utilização sustentável dos recursos ambientais;
  • Minimizar a produção de resíduos através de medidas de redução, reutilização e reciclagem de materiais e equipamentos;
  • Cumprir os preceitos legais aplicáveis e demais requisitos considerados relevantes, associados às questões ambientais;
  • Integrar práticas de eco-gestão nas actividades dos vários serviços e departamentos, assim como na gestão dos espaços comuns da ESTeSL com a Escola Superior de Enfermagem de Lisboa, fomentando a melhoria contínua do seu desempenho ambiental e sustentabilidade;
  • Promover a consciencialização e o envolvimento de toda a população académica e comunidade envolvente, assim como promover o compromisso de outras entidades que coexistem nas instalações da ESTeSL, para com a melhoria contínua do seu desempenho ambiental.



Introduza o seu e-mail


Dezembro 2017
S T Q Q S S D
« Nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Categorias
Parceiros