Archive for the ‘Mares e Oceanos’ Category

Muitos parabéns às estudantes Jéssica Moreira, Margarida Mossâmedes, Susana Camala e Suazilene Sacramento, do curso de licenciatura em Saúde Ambiental da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL-IPL) pelo trabalho submetido ao ISWA Video Award 2018, promovido pela International Solid Waste Association (ISWA), e que acabou por conquistar o segundo lugar deste concurso internacional.

De entre os 32 trabalhos submetidos, representantes de 18 países (África do Sul, Austrália, Áustria, Estados Unidos da América, Filipinas, Finlândia, França, Grécia, Hungria, India, Indonésia, Itália, Malásia, Nigéria, Portugal, Reino Unido, Singapura e Vietnam), as estudantes da ESTeSL acabaram por garantir o segundo lugar. Para além do segundo lugar conquistado por Portugal, importa salientar o facto do trabalho ter sido realizado sem grandes conhecimentos de recolha e edição de imagem, dando-se destaque à mensagem que se pretendia transmitir. O primeiro lugar foi conquistado por um trabalho das Filipinas e o terceiro lugar foi atribuído a um trabalho da Grécia.

O vídeo foi submetido a título individual e sem associação à ESTeSL, conforme as regras ditavam, mas resultou de um trabalho conjunto desenvolvido no âmbito da unidade curricular de Gestão de Resíduos II, sob orientação do professor Vítor Manteigas. Muitos parabéns a TODOS os estudantes que, independentemente do curso, e para além das vencedoras, têm vindo a realizar trabalhos que de algum modo temos conseguido associar ao programa Eco-Escolas e ao projeto Interreg Sudoe ClimACT. Parabéns!!

The theme of this year’s award is “What Happens to my Waste?”

The ISWA Video Award is an online short video competition. Whether documentary, fiction, animation or a combination thereof – the decision about the film genre as well as the technical realisation is left up to the contestant. Only the length of the film is specified. The video must be minimum 30 seconds and should not exceed a total duration of 80 seconds.

Este vídeo tem como objetivo referir os riscos associados ao abandono de resíduos de plástico no ambiente, que apresentam um crescente perigo para este e, consequentemente, para a saúde pública. Muitas vezes, o destino final destes resíduos é o oceano e o seu longo período de degradação afeta a fauna e a flora. Pretendemos descrever o percurso de uma tampa de plástico de uma forma direta e simples, desde o momento em que é lançada para o chão até chegar ao oceano, percorrendo entretanto vários locais do mundo. Um ato tão simples e tão breve pode ter consequências devastadoras ao longo do tempo. O plástico tem um impacto negativo se não for encaminhado para tratamento adequado.

A Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL-IPL) volta a vencer uma das atividades criativas da Geração Depositrão!!

A ESTeSL candidatou-se com a submissão de um vídeo de animação sobre “A Carga Máxima protege a Floresta”. Para a realização do vídeo de animação, foi lançado o desafio aos estudantes do curso de licenciatura em Saúde Ambiental para que, no âmbito da unidade curricular de Gestão de Resíduos, realizassem um trabalho que cumprisse os requisitos definidos para o desafio “A Carga Máxima protege a Floresta”. A turma foi dividida em grupos de trabalho que, após a abordagem ao fluxo específico de resíduos de pilhas e acumuladores portáteis, prepararam guiões para os vídeos que se propuseram fazer. No total, foram envolvidos 34 estudantes e o professor responsável da unidade curricular que, após a concretização de todos os vídeos (cinco), selecionou aquele que iria representar a Escola no concurso da Geração Depositrão.

O vídeo apresentado a concurso foi pensado, discutido e elaborado pelas estudantes Ana Margarida Correia, Jéssica Moreira, Susana Camala e Suazilene Sacramento, tendo por base os critérios definidos para a atividade criativa, associando as pilhas, enquanto resíduo, à floresta e aos riscos decorrentes do seu abandono.

Com uma linguagem simples e de compreensão acessível, tendo em conta o público alvo, vão-se dando algumas indicações que ajudam a interpretar a mensagem que se quer associar à animação e que segue o percurso da “floresta ao prato”, deixando claro os riscos de se deixar as pilhas sem encaminhamento e tratamento adequados. As substâncias nocivas são representadas pelos metais pesados que têm um efeito cumulativo na cadeia alimentar, fazendo o percurso desde a floresta até ao prato, passando pelos rios, oceanos, algas e peixes.

A mensagem a reter é… Pilhas na floresta… NÃO!

O Programa Eco-Escolas da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL-IPL) voltou a marcar presença na rubrica “Vida Verde” do programa “Manhãs na TV” da Kuriakos TV, com a participação do professor Vítor Manteigas, coordenador dos programas Eco-Escolas e Jovens Repórteres para o Ambiente e coordenador Baixo Carbono, no âmbito do projeto Interreg Sudoe ClimACT.
Nesta segunda participação, que teve lugar no passado mês de junho, voltou-se a abordar os resíduos e os resíduos de plástico e a urgência em “desplastificar” o Planeta.

De acordo com o Relatório do Estado do Ambiente, em 2017 cada cidadão em Portugal continental produziu 1,32 quilogramas de resíduos por dia, perfazendo um total de 4,75 milhões de toneladas anuais, correspondendo a um aumento de cerca de 2,3% face aos valores registados em 2016.

A maior das grandes ilhas de plástico do Pacífico, formadas a partir de resíduos aglomerados pelas correntes oceânicas, tem uma área correspondente a cerca de 17 vezes a área de Portugal. É urgente “desplastificar” o Planeta!

Hoje, dia 8 de junho, na celebração do Dia Mundial dos Oceanos, deixamos algumas sugestões para que se mantenham informados e em alerta para as questões da poluição nos mares e oceanos.

Sugestões para o Dia Mundial dos Oceanos

Sugerimos o visionamento de seis documentários sobre o ambiente marinho que se diz serem histórias polémicas, verdadeiras e inspiradoras, sendo temas que precisam ser falados, debatidos e divulgados para que a mensagem de como podemos minimizar os efeitos devastadores que potenciam as alterações climáticas possa ser entendida e colocada em ação.

Deixamos ainda uma sugestão de leitura para o mês de junho. Falamos da edição deste mês da National Geographic, cuja capa é já considerada uma das melhores e mais impactantes de sempre, e que por si só acaba por ser reveladora do tema em destaque.

Planet or Plastic? is National Geographic’s multiyear initiative aimed at raising awareness about the global plastic crisis and reducing the amount of single-use plastic that enters the world’s oceans. Using the power of storytelling and science, National Geographic is encouraging its audiences around the world to help tackle the crisis, beginning with the release of the June issue of National Geographic magazine, which takes an in-depth look at the impact of plastic on ocean health and is available on newsstands now. The multiyear effort includes a major research and scientific initiative; a continued consumer education and engagement campaign; updated internal corporate sustainability commitments; and innovative partnerships with like-minded corporations and non-governmental organizations from all over the world.

 

Hoje deu-se início a um novo desafio proposto pela equipa de produção da Kuriakos TV e que conta com a participação do professor Vítor Manteigas, coordenador dos Programas Eco-Escolas e Jovens Repórteres para o Ambiente da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL-IPL) e Coordenador Baixo Carbono no âmbito do projeto Interreg Sudoe ClimACT.

A Eco-Escola ESTeSL na "Vida Verde"
Hoje deu-se início à “Vida Verde“, uma nova rubrica do programa Manhãs na TV, onde se irão promover boas práticas ambientais, assim como divulgar algum do trabalho de mérito que se tem feito de forma continuada ao longo dos últimos anos e que poderá servir de exemplo para melhorar o ambiente.

O mote para este primeiro episódio (que em breve divulgaremos) foi a problemática dos resíduos plásticos e aquilo que estará na sua génese, assim como qual poderá ser o contributo de cada um de nós para obviar este problema. Contudo, e porque se começou por fazer uma “sinopse” do trabalho que temos vindo a fazer nos últimos anos, muito (quase tudo!) ficou por dizer e certamente que iremos, num futuro próximo, recuperar este tema.

Hoje, dia em que se celebra o Dia Europeu do Mar, chamamos a atenção para uma das problemáticas ambientais mais atuais e impactantes: o uso de plástico.

Segundo a Quercus, Portugal consome em média, por ano: (i) 721 milhões de garrafas de plástico; (ii) 259 milhões de copos de café; (iii) 1 milhar de milhões de palhinhas; (iv) 40 milhões de embalagens de fast food; e (vi) 10 mil milhões de beatas de cigarro.

Estes números são altamente preocupantes e se não existir o respetivo encaminhamento para tratamento apropriado, é provável que estes plásticos acabem no mar. Este tratamento começa com cada um de nós, garantindo a separação correta dos resíduos.

O consumo de plástico é um problema ambiental que atinge proporções mundiais e que começa a ter efeitos graves nos ecossistemas do nosso planeta. Neste dia do mar, damos-te a conhecer um desses efeitos. Uma “ilha” de lixo que resulta da acumulação de plásticos no oceano e à qual os cientistas deram o nome de “Grande Mancha de Lixo do Pacífico”. Esta ilha situa-se entre o Havai e a Califórnia e o seu tamanho é proporcional à zona económica exclusiva marítima de Portugal.

De acordo com Joost Dubois, porta-voz da Ocean Cleanup Foundation, que liderou uma equipa de investigadores que durante meses se dedicou a estudar este desastre ambiental, ali poderemos encontrar redes de pesca, recipientes de plástico, embalagens e cordas, formando a “Grande Mancha de Lixo do Pacífico”, que tem entre 45 e 129 milhares de toneladas de plástico.

Mas a verdade é que as correntes oceânicas concentram o plástico em cinco grande áreas do mundo, cinco grande “ilhas”. Para descobrires mais sobre este assunto, visita o The Ocean Cleanup.

As manchas de lixo oceânicas são vastas e dispersas

Na próxima sessão das “Conversas na Aldeia Global“, dedicadas ao caminho para um futuro sustentável e à Agenda 2030, que terá lugar já amanhã, dia 14 de setembro, às 21h30m, no Auditório da Biblioteca Municipal de Oeiras, com moderação de Vasco Trigo, Luísa Schmidt irá falar sobre “Ambientes de Mudança

Conversas na Aldeia Global | Futuro Sustentável: Ambientes de Mudança, com Luísa Schmidt

Pretende-se discutir em que medida estão a surgir «Ambientes de Mudança» e com enfoque nas nove áreas do ambiente abordadas no seu mais recente livro — águas, resíduos, ar, alterações climáticas, energia, território, conservação da Natureza, mar e cidadania.

Numa perspetiva ambiental, recuperam-se alguns dos problemas que compõem as agendas nacionais e internacionais e de difícil resolução, caso dos grandes incêndios deste verão que cíclica e tragicamente devastam o país, da poluição dos rios, da ocupação do litoral ou da suburbanização imparável.

Luisa Schmidt é investigadora no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, onde leciona e desenvolve vários projetos que articulam ciências sociais e ambiente. Membro do Conselho Nacional de Ambiente e Desenvolvimento Sustentável e do European  Environment Advisory Council. Faz parte do núcleo de fundadores do OBSERVA: Observatório de Ambiente, Sociedade e Opinião Pública. É autora da série televisiva «Portugal, um Retrato Ambiental» e de diversos livros na área do ambiente. Com a coluna «Qualidade Devida» que mantém no Jornal Expresso desde 1990, tem contribuído para a divulgação e debate dos problemas ambientais.




Introduza o seu e-mail


Dezembro 2018
S T Q Q S S D
« Nov    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  
Categorias