Archive for the ‘Internacional’ Category

O projeto ClimACT é finalista dos RegioStars Awards 2018... VOTA!O projeto Interreg Sudoe ClimACT, projeto que integra a Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL-IPL) enquanto escola-piloto e cuja metodologia a ESTeSL tem vindo a aplicar no decurso dos últimos anos, associado ao programa Eco-Escolas, é finalista dos RegioStars Awards 2018 e o vosso voto pode fazer a diferença (clicar na imagem para votar).

Os prémios RegioStars identificam boas práticas no desenvolvimento regional e destacam projetos originais e inovadores que são interessantes e inspiradores para outras regiões.

Das cerca de 102 candidaturas apresentadas ao RegioStars Awards 2018, um júri especializado está a trabalhar na determinação do melhor projeto por categoria, com base no mérito referente à inovação, impacto, sustentabilidade e parcerias, mas o projeto que receber mais votos irá receber o Public Choice Award!

O desafio que agora vos lançamos é que votem no “nosso” projeto. A votação para o projeto ClimACT, na categoria “alcançar a sustentabilidade através de baixas emissões de carbono”, decorre até à meia-noite do dia 7 de outubro e podem votar várias vezes (ao dia!).  Contamos convosco… VOTEM!

Os estudantes do curso de licenciatura em Saúde Ambiental da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL-IPL), Cláudia Rodrigues, Fábio Costa e Tiago Pontes, realizaram uma vídeo-reportagem associado ao projeto Remedio Interreg MED e que irá integrar os trabalhos realizados pela ESTeSL a submeter ao Programa Jovens Repórteres para o Ambiente.

O projeto REMEDIO Interreg MED, que visa testar medidas de baixo teor de carbono em quatro cidades europeias: Loures, Treviso, Split e Salónica, irá colocar em prática o conceito de mobilidade sustentável e, cumulativamente, promover avaliações de qualidade do ar, de ruído e de tráfego. Em Portugal, Loures foi o município selecionado, sendo a Avenida de Moscavide, a área onde têm vindo a ser implementadas as medidas preconizadas no âmbito do projeto e promovida a monitorização da qualidade do ar, indicador que se pretende melhorar e fixar em valores aceitáveis e seguros.

O trabalho Um “REMEDIO” para os problemas de mobilidade, dá a conhecer algumas das melhorias associadas à mobilidade, já realizadas no âmbito do projeto REMEDIO Interreg MED.

As estudantes do curso de licenciatura em Saúde Ambiental da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL), Catarina Ricardo, Felícia Sofia, Inês César e Joana Ferreira, viram o seu trabalho “Colour of Pollution”, ser escolhido para integrar o lote de finalistas do concurso “I LIVE GREEN”, da Agência Europeia do Ambiente, na categoria de Clean Water.

A iniciativa “I LIVE GREEN” desafiou todos os cidadãos europeus a mostrar a sua criatividade e a partilhar as suas ações para ajudar o ambiente, através de pequenos vídeos associados a quatro categorias (alimentação sustentável,  ar limpo, água limpa e zero  desperdício), sabendo-se que algumas das nossas decisões diárias são esforços conscientes para vivermos num ambiente mais limpo e saudável: o que comemos e compramos, como nos deslocamos para o trabalho ou para a escola ou como aquecemos as nossas casas. As nossas escolhas, grandes e pequenas, têm impacte no ambiente e na nossa saúde.

Haverão prémios para os vencedores em cada uma das categorias, que serão determinados por um júri composto por especialistas em comunicação ambiental de toda a Europa, com exceção do Public Choice Award.

Public Choice Award será atribuído pela votação pública que decorre entre 1 e 31 de maio de 2018, sendo os vencedores anunciados a 5 de junho de 2018. Para que o trabalho “Colour of Pollution” venha a receber o prémio de escolha do público, todos os votos contam!

Para votar, basta seguir para a página de votação e escolher o vídeo CLEAN WATER 8. Apesar de só ser possível um voto por pessoa, cada um poderá votar várias vezes, usando equipamentos (computadores, tablets, smartphones) diferentes. Contamos convosco!

The state of the environment around us is affected by many of our daily decisions, ranging from what we eat to how we travel or heat our homes. Some of our day-to-day decisions are made with the intention of minimising negative impacts on the environment, and consequently on our health. What are the small or big actions you take to help the environment?

Many people across Europe are opting for more environment-friendly choices and actions every day. The European Environment Agency (EEA) and its partners have invited European citizens to share their green choices and actions in the form of short videos in the ‘I LIVE GREEN’ competition.

As celebrações do trigésimo sétimo aniversário da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) terminaram na passada sexta-feira com o evento “Encontros com a Ciência na ESTeSL”, promovido pelo Conselho Técnico-Científico da ESTeSL, onde foi apresentado o projeto “ClimACT – Acting for the transition to a low carbon economy in schools”.

O projeto ClimACT no Encontros com a Ciência na ESTeSL

A apresentação ficou a cargo de Marta Almeida, do Instituto Superior Técnico (IST), coordenadora do projeto, e por  João Pombo e Filipe Silva, do Instituto de Soldadura e Qualidade (ISQ), membro do consórcio responsável pela implementação do projeto no sudoeste europeu e do qual a ESTeSL é uma das escolas piloto.

Para além da metodologia subjacente à implementação do ClimACT, foram ainda apresentados alguns dos dados decorrentes da auditoria energética e ambiental realizada na ESTeSL, assim como as tendências dos serviços de energia em edifícios e um caso de estudo de um projeto de eficiência energética, envolvendo empresas de serviços de energia e o próprio ISQ.

Posteriormente, foi também apresentado por Alice D’Onofrio, do IST, o projeto “MEDICIS – Produced radioisotope beams for medicine“.

O trabalho dos estudantes do curso de licenciatura em Saúde Ambiental da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL), Beatriz Luz, Hugo Silva e Sofia Coelho, associado à Litter Less Campaign (ver “Beatas no chão… NÃO!” e a participação da ESTeSL na Litter Less Campaign), do qual resultou uma fotorreportagem e vídeo-reportagem, foi selecionado para representar Portugal no concurso internacional Litter Less do Young Reporters for the Environment, no escalão 19-21 anos, categoria de fotorreportagem.

Independentemente do resultado que se venha a obter no concurso internacional, este resultado é já uma “vitória” só possível em função do empenho e dedicação dos estudantes e da prestimosa colaboração do Miguel Faria, do “Portugal Sem Beatas”, a quem deixamos  o nosso muito obrigado.

Litter Less Campaign (fotorreportagem ESTeSL, Portugal)

CIGARETTE BUTTS ARE ONE OF THE CORNERSTONES OF THE PROBLEM…

It is known that cigarette butts are the type of waste most frequently found in our beaches.

The microplastics, as well as the heavy metals in cigarette butts, usually enter a cycle that affects the whole ecosystem: earth, sea, air and, naturally, animals and human beings.

In the campaign of collecting cigarette butts, performed by three Environmental Health students on the campus of the Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) and at the beach of Costa da Caparica, near Lisbon, in just one hour was collected the equivalent volume of five liters.

Encontro Ibérico Eco-Universidades (Eco-Escolas do Ensino Superior)Irá ter lugar no próximo dia 18 de outubro, na Universidade do Minho (Campus de Gualtar), aquele que será o primeiro Encontro Ibérico Eco-Universidades |Eco-Escolas do Ensino Superior.

Numa organização conjunta da Associação Bandeira Azul da Europa (ABAE) e Câmara Municipal de Braga, com o apoio da Universidade do Minho, e associado a BRAGA’16, Capital Ibero-Americana da Juventude, várias instituições de ensino superior (politécnicos e universidades) portuguesas e espanholas irão partilhar experiências decorrentes da implementação do Programa Eco-Escolas e onde, naturalmente, a Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) se fará representar pelos professores coordenadores do Programa na ESTeSL (professores Ana Monteiro e Vítor Manteigas).

Para além da partilha de experiências, está previsto a criação de grupos/fóruns de trabalho que se irão,dentre outras coisas, debruçar sobre a adaptação a escolas do Ensino Superior, de alguns dos “7 passos” inerentes à metodologia de implementação do Programa (por exemplo, a Auditoria Ambiental).

Pretende-se, desta forma, criar condições de forma a aumentar o número de instituições de ensino superior participantes no Programa Eco-Escolas, porquanto a educação para o desenvolvimento sustentável é imperioso!

Daremos notícias… de Braga.

I DO BELIEVE!... #COP21Irá ter lugar em Paris, entre os próximos dias 30 de novembro e 11 de dezembro, a Conferência das Nações Unidas para as Alterações Climáticas (COP21).

As alterações climáticas apresentam-se como a maior ameaça ambiental do século XXI, com implicações significativas tanto a nível económico, social e, naturalmente, ambiental, razão pela qual as consequências serão (e são!) sentidas de forma transversal pelo cidadão comum, empresas, governos, economia e pelos ecossistemas.

Se é verdade que as alterações climáticas sempre se têm verificado ao longo da existência do planeta Terra, também é verdade que nos últimos anos, nomeadamente desde a revolução industrial, o ritmo dessas mudanças tem ocorrido de forma mais célere e perspetiva-se que tome proporções alarmantes (mais!) se não forem tomadas medidas.

Fenómenos como as ondas de calor (e secas), vagas de frio e catástrofes “naturais” são  cada vez mais frequentes, e as consequentes daí decorrentes são, de facto, uma ameaça real para as economias mundiais e para a humanidade.

No centro destas questão estão os designados gases de efeito estufa, cujas emissões, principalmente de origem antropogenética, têm sido objeto de um aumento significativo. O dióxido de carbono (CO2) é o principal gás associado ao aumento do efeito estufa, e são consequência direta do uso/queima de combustíveis fósseis.

Atendendo à proximidade da COP21 e à premência de se garantir um acordo entre as partes, para que assim se consiga reverter a atual situação ambiental, surge a atividade “I DO BELIEVE!… #COP21” (“EU ACREDITO!… #COP21”) onde, durante os Global Action Days e até à véspera da Conferência, faremos notar o nosso apoio aos líderes mundiais para que, de facto, esse almejado acordo seja firmado. E tu, ACREDITAS?…

#COP21 #Paris2015 #ActOnClimate #GlobalActionDaysPortugal




Introduza o seu e-mail


Setembro 2018
S T Q Q S S D
« Ago    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
Categorias
Parceiros