Archive for the ‘Florestas’ Category

Integrado no Programa Eco-Escolas (EcoCampus), o projeto Eco-Trilhos, inspirado no conceito dos Trilhos da Ciência ou Trilhos do Ambiente, pretende motivar para o conhecimento do território próximo da escola incentivando à criação de trilhos que através da sugestão de experiências e atividades, dêem a conhecer características ambientais e de sustentabilidade desses mesmos percurso, como por exemplo o património natural ou cultural.

Eco-Trilho da Floresta (ESTeSL)

As escolas foram desafiadas a apresentar Eco-Trilhos onde fossem abordadas uma de duas temáticas como os Trilhos da Floresta ou Trilhos do Mar e a Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL), fruto do trabalho das estudantes Cristiana Costa, Dalila Gonçalves, Elisabete Santos e Suazilene Sacramento, submeteu um Eco-Trilho da Floresta que acabou por ficar em 3.º lugar Ex-aequo no concurso nacional.

Muitos parabéns!!

Estamos em plena época de avaliações e a poucos dias de terminar mais um ano de intenso de trabalho associado à implementação do Programa Eco-Escolas e do Projeto Interreg Sudoe ClimACT na Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL-IPL), mas ainda com muito para fazer.

Após a adoção da metodologia de trabalho subjacente à efetiva implementação do Programa/Projeto, que culmina com a elaboração do Eco-Código ou Código Climático, apresentamos-vos aquele que é o Eco-Código e o respetivo poster concebido este ano e cujo conteúdo vai de encontro àquilo que havia sido definido no Plano de Ação, aprovado no início do ano em reunião plenária do Conselho Eco-Escola/Comissão Baixo Carbono.

Eco-Código 2019 (ESTeSL)

Este é o último Eco-Código (ou Código Climático) apresentado ainda no âmbito também do projeto Interreg Sudoe ClimACT. Contudo, não lhe fazemos referência porquanto no decurso do próximo ano letivo, período no qual este “código de conduta” irá vigorar, o projeto já terá terminado.

Este ano o nosso Poster Eco-Código será submetido a concurso apenas na versão digital, sendo que em breve vos iremos mobilizar para a respetiva votação.

Integrado no Interreg Sudoe ClimACT, projeto onde a Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) tem vindo a participar na qualidade de escola-piloto, aplicando a metodologia de trabalho que lhe está subjacente, numa perspectiva de transição para uma economia de baixo carbono, teve lugar nos dias 9 e 10 de maio, o evento final que juntou todas as entidades parceiras, stakeholders e escolas de Portugal, Espanha, França e Gibraltar, com a presença de cerca de 150 participantes.

ESTeSL acolheu evento final do projeto Interreg Sudoe ClimACT

No primeiro dia do evento, que teve lugar da ESTeSL, houve comunicações asseguradas pelos elementos representantes das entidades beneficiárias e membros da equipa técnica, distribuídas pelas várias sessões (ferramentas para a gestão de energia nas escolas; boas práticas em escolas baixo carbono; educação para sustentabilidade; e soluções baixo carbono), assim como comunicações de várias entidades convidadas a partilhar a sua experiência, conhecimento e competência nas temáticas do projeto.

Paralelamente, os estudantes das escolas integrantes no projeto, tiveram a oportunidade de participar em workshops temáticos (dança, teatro, cenários e música), que serviram de base para a performance final deste primeiro dia de trabalhos, que contou ainda com Filipe Pinto, músico, compositor e intérprete que partilhou o palco com os cerca de 70 estudantes. No fim das sessões em auditório, houve ainda lugar para uma visita a algumas das zonas características do Parque das Nações e desconhecidas para a generalidade dos participantes estrangeiros.

O segundo dia foi passado no Parque Urbano de Santa Iria da Azóia, Loures, onde as escolas dos países participantes partilharam algumas das suas experiências dos três anos de projeto e onde tiveram ainda a oportunidade de participar em várias atividades temáticas.

Muito do sucesso que foi reconhecido ao evento final do projeto Interreg Sudoe ClimACT, deve-se também à nossa Presidência, que desde o primeiro momento se mostrou disponível para acolher na ESTeSL este evento. Igualmente importante foi todo o contributo dos estudantes da ESTeSL que se voluntariaram para trabalhar afincadamente para o sucesso desta iniciativa, nomeadamente: Catarina Anastácio, Diana Narciso, Eduarda Rodrigues, Fabiana Clérigo, Inês Andrade, Inês César, Irene Morais, João Anjos, Mariami Gasviani, Marta Amaral, Pedro Pena e Sandra Ferreira.

Para terminar, deixamos também um agradecimento sentido à Carla Marques, representante dos Serviços de Ação Social do Instituto Politécnico de Lisboa no Conselho Eco-Escolas/Comissão Baixo Carbono, que em muito contribuiu para a ementa vegetariana e ovolactovegetariana disponibilizada a todos os participantes.

Muito obrigado a tod@s!

 

Hoje, dia 21 de março, na celebração do Dia Mundial da Árvore e do Dia Internacional das Florestas, apresentamos-vos aquelas que são “as árvores da minha escola”, uma atividade integrada no projeto “Brigada da Floresta”, que tem como principal objetivo conhecer e agir pela proteção dos ecossistemas existentes na escola e no território envolvente, dando particular importância à floresta.

Este é um trabalho realizado pelas estudantes do curso de licenciatura em Saúde Ambiental da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL-IPL), Cristiana Costa, Dalila Gonçalves, Elisabete Santos e Suazilene Sacramento.
Para a realização da inventariação das árvores e arbustos, foi usado como documento base a tela final do projeto de arquitetura paisagística da ESTeSL, com todas as árvores e arbustos inicialmente previstos e plantados. Usando esse guia, realizou-se o trabalho de campo, identificando os arbustos e árvores e fotografando estas últimas (fotografias de silhueta e detalhe). Tendo em conta que ainda não se está na época de floração da maior parte das árvores, algumas das árvores fotografadas não apresentavam folhas (ou estavam secas) nem flores.

A Associação Bandeira Azul da Europa convida toda a comunidade Eco-Escolas a votar no(s) poster(es) Eco-Código que mais forem do vosso agrado para que, em cada escalão, os que vierem a ter mais mais “LIKES” sejam premiados com o Prémio Comunidade Virtual.

A Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL-IPL), sendo escola-piloto do projeto Interreg Sudoe ClimACT, tem a concurso um poster com o seu Código Climático e o vosso “voto” pode fazer a diferença.

Para poderem contribuir para o sucesso do Código Climático da ESTeSL neste desafio na comunidade virtual, basta terem um perfil registado no Facebook e, depois de acederem ao nosso poster Eco-Código e Código Climático (clicar AQUI), deixar o vosso “LIKE”. Em alternativa poderão “GOSTAR” fazendo uso da imagem incorporada nesta publicação.

Contamos convosco!

Para a realização do projeto submetido ao Concurso Nacional Poster Eco-Código / Código Climático 2018, foi proposto a um grupo específico de estudantes que, no âmbito do Programa Eco-Escolas e unidade curricular de Estágio em Saúde Ambiental I e, em conjunto com o professor responsável, a elaboração de um póster Código Climático em que estivessem contemplados os temas-base no âmbito do projeto Interreg Sudoe ClimACT (água, resíduos, energia, espaços verdes/floresta, mobilidade e compromisso verde) e pelo menos um dos temas facultativos (alimentação saudável e sustentável), indo de encontro também ao Plano de Ação previamente definido.

Foi pedido a cada um dos membros da Comissão Baixo Carbono que, com a colaboração dos colegas dos respetivos cursos de licenciatura (no caso dos estudantes), sugerissem frases tendo em conta os pressupostos anteriores, visando a criação ou alteração de atitudes e comportamentos conducentes à melhoria do ambiente tanto na escola como em casa. As inúmeras frases propostas foram sujeitas a votação e seriação, das quais resultaram as apresentadas no poster.

Este ano, e de forma a garantir uma vinculação efetiva ao projeto Interreg Sudoe ClimACT, optou-se por fazer-se uso da imagem do projeto, depois da devida autorização por parte de equipa coordenadora. Ambas as etapas foram realizadas sob orientação do professor responsável pelo grupo de trabalho e coordenador Eco-Escolas/Baixo Carbono, e sendo igualmente sujeita à “ratificação” dos elementos do Conselho Eco-Escolas/Comissão Baixo Carbono.

A Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL-IPL) volta a vencer uma das atividades criativas da Geração Depositrão!!

A ESTeSL candidatou-se com a submissão de um vídeo de animação sobre “A Carga Máxima protege a Floresta”. Para a realização do vídeo de animação, foi lançado o desafio aos estudantes do curso de licenciatura em Saúde Ambiental para que, no âmbito da unidade curricular de Gestão de Resíduos, realizassem um trabalho que cumprisse os requisitos definidos para o desafio “A Carga Máxima protege a Floresta”. A turma foi dividida em grupos de trabalho que, após a abordagem ao fluxo específico de resíduos de pilhas e acumuladores portáteis, prepararam guiões para os vídeos que se propuseram fazer. No total, foram envolvidos 34 estudantes e o professor responsável da unidade curricular que, após a concretização de todos os vídeos (cinco), selecionou aquele que iria representar a Escola no concurso da Geração Depositrão.

O vídeo apresentado a concurso foi pensado, discutido e elaborado pelas estudantes Ana Margarida Correia, Jéssica Moreira, Susana Camala e Suazilene Sacramento, tendo por base os critérios definidos para a atividade criativa, associando as pilhas, enquanto resíduo, à floresta e aos riscos decorrentes do seu abandono.

Com uma linguagem simples e de compreensão acessível, tendo em conta o público alvo, vão-se dando algumas indicações que ajudam a interpretar a mensagem que se quer associar à animação e que segue o percurso da “floresta ao prato”, deixando claro os riscos de se deixar as pilhas sem encaminhamento e tratamento adequados. As substâncias nocivas são representadas pelos metais pesados que têm um efeito cumulativo na cadeia alimentar, fazendo o percurso desde a floresta até ao prato, passando pelos rios, oceanos, algas e peixes.

A mensagem a reter é… Pilhas na floresta… NÃO!

Na passada terça-feira, dia 22 de maio, aquando da celebração do Dia Internacional da Biodiversidade, demos ao pedal com a Ana Pereira, do Cenas a Pedal, e caminhámos pelo Parque das Nações, à descoberta de algumas das zonas verdes, na companhia do Paulo Calisto, da Junta de Freguesia do Parque das Nações.

Logo ao início da tarde, começámos as atividades com uma sessão onde a Ana  Pereira desmistificou o uso da bicicleta e nos deixou algumas sugestões para que a transição entre o uso exclusivo do veículo automóvel e a bicicleta (elétrica, ou não!) fosse “tranquila”, aludindo aos múltiplos  benefícios associados ao seu uso. Falou-nos ainda da Bicicultura, um projecto mais colectivo que “fomenta o uso da bicicleta para transporte, trabalho, lazer e terapia por todos os segmentos da população, para o bem-estar das pessoas e o desenvolvimento sustentável” e ao qual o Cenas a Pedal está associado.

Logo depois, a Escola de Bicicleta do Cenas a Pedal proporcionou-nos uma experiência onde, a pedalar, aprendemos algumas técnicas que serão, certamente, uma mais-valia para quem se “aventurar” no mundo da mobilidade suave.

Caminhar e pedalar pela biodiversidade, com o Cenas a Pedal e a Junta de Freguesia do Parque das Nações

Por fim, deixaram-nos o convite para que nos juntássemos a eles, no passeio e piquenique conjunto d’A Casa da Bicicultura/MUBi (Associação pela Mobilidade Urbana em Bicicleta), que terá lugar este domingo, dia 27 de maio. Trata-se de um encontro social, sem inscrições, mas quem quiser poderá aproveitar a oportunidade para contribuir com um donativo livre para a constituição oficial daquela cooperativa, no âmbito da qual se pretende criar um centro de incubação e aceleração da cultura da bicicleta que será A Casa da Bicicultura (ver Passeio de Bicicleta & Piquenique | Casa da Bicicultura & MUBi)

O dia não terminou sem antes ter lugar a ESTeSLa Caminhada pela Biodiversidade, uma organização de um grupo de estudantes do curso de licenciatura em Saúde Ambiental que, à semelhança da atividade precedente, contou com a participação de estudantes, docentes e não docentes da comunidade académica da ESTeSL-IPL. No decurso da caminhada, sempre na companhia de Paulo Calisto que esteve connosco na qualidade de representante da Junta de Freguesia do Parque das Nações, tivemos a oportunidade de descobrir algumas das zonas verdes e paragens icónicas pensadas e construídas a propósito da Expo’98 que naquele dia também celebrava os seus 20 anos.

Muito obrigado aos parceiros, (o Cenas a Pedal e a Junta de Freguesia do Parque das Nações) que nos honraram com a sua presença e duplamente obrigado aos que nos acompanharam nas atividades daquela tarde. Bem hajam…




Introduza o seu e-mail


Agosto 2019
S T Q Q S S D
« Jul    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  
Categorias