Archive for the ‘Energia’ Category

Na próxima sessão das “Conversas na Aldeia Global“, dedicadas ao caminho para um futuro sustentável e à Agenda 2030, que terá lugar já amanhã, dia 14 de setembro, às 21h30m, no Auditório da Biblioteca Municipal de Oeiras, com moderação de Vasco Trigo, Luísa Schmidt irá falar sobre “Ambientes de Mudança

Conversas na Aldeia Global | Futuro Sustentável: Ambientes de Mudança, com Luísa Schmidt

Pretende-se discutir em que medida estão a surgir «Ambientes de Mudança» e com enfoque nas nove áreas do ambiente abordadas no seu mais recente livro — águas, resíduos, ar, alterações climáticas, energia, território, conservação da Natureza, mar e cidadania.

Numa perspetiva ambiental, recuperam-se alguns dos problemas que compõem as agendas nacionais e internacionais e de difícil resolução, caso dos grandes incêndios deste verão que cíclica e tragicamente devastam o país, da poluição dos rios, da ocupação do litoral ou da suburbanização imparável.

Luisa Schmidt é investigadora no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, onde leciona e desenvolve vários projetos que articulam ciências sociais e ambiente. Membro do Conselho Nacional de Ambiente e Desenvolvimento Sustentável e do European  Environment Advisory Council. Faz parte do núcleo de fundadores do OBSERVA: Observatório de Ambiente, Sociedade e Opinião Pública. É autora da série televisiva «Portugal, um Retrato Ambiental» e de diversos livros na área do ambiente. Com a coluna «Qualidade Devida» que mantém no Jornal Expresso desde 1990, tem contribuído para a divulgação e debate dos problemas ambientais.

A Semana Europeia da Mobilidade (European Mobility Week), lançada a 19 de abril de 2002, durante a Semana Verde, em Bruxelas, pela Comissária para o Ambiente e com o apoio político e financeiro da Comissão Europeia, é uma parceria entre a Coordenação Europeia, as Autoridades locais e a Comissão Europeia.

Semana Europeia da Mobilidade (de bicicleta para o trabalho, bike to work day)Todos os anos, 16 a 22 de setembro, os cidadãos europeus têm a oportunidade de usufruir de uma semana pejada de atividades dedicadas à mobilidade sustentável, tendo como objetivo promover e facilitar um debate a larga escala sobre a necessidade imperiosa de mudar comportamentos no que diz respeito à mobilidade e, em particular, em relação à utilização do automóvel particular.

Entretanto, ainda em 2000, a campanha do “Dia Europeu sem Carros” surgiu na sequência de uma diretiva europeia (Directiva 96/62/CE do Conselho de 27 de Setembro de 1996) relativa à avaliação e gestão da qualidade do ar ambiente, com enfoque nas cidades. Tendo em conta os crescentes problemas relacionados com o uso do automóvel, vários países da União Europeia, incluindo Portugal, lançaram esta iniciativa pela primeira vez à escala europeia em 22 de setembro daquele ano.

A Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) tem vindo, desde alguns anos a esta parte, a promover atividades associadas à mobilidade sustentável (tema trabalhado no âmbito do Programa Eco-Escolas e do projeto Interreg Sudoe ClimACT) e este ano, integrado na Semana Europeia da Mobilidade, e durante os dias de aulas (de 18 a 22 de setembro), o desafio é… vem de bicicleta para a ESTeSL!

Em pleno Dia Mundial do Ambiente, evento que se celebra anualmente a 5 de junho e que tem como objetivo alertar as populações e os governos para a necessidade de garantir a proteção e a preservação do ambiente, divulgamos o nosso Eco-Código que é cumulativamente o Código Climático, dando assim cumprimento a uma das atividades previstas no projeto ClimACT (#InterregSudoeClimACT).

Poster Eco-Código e Código Climático da ESTeSL (2017)
Estamos a pouco dias de começar uma longa época de avaliações (último momento de avaliação e exames) e a semanas de terminar mais um ano de intenso trabalho associado à implementação do Programa Eco-Escolas e do projeto Interreg Sudoe ClimACT na Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL). Após a adoção da metodologia de trabalho subjacente à sua efetiva implementação, que culmina com a elaboração e divulgação do Eco-Código | Código Climático (Conselho Eco-Escola/Comissão Baixo Carbono, Auditoria Ambiental, Plano de Ação, Monitorização, Trabalho Curricular, Informação e Envolvimento da Comunidade Local e, por último, Eco-Código/Código Climático), apresentamos-vos aquele que é o Poster Eco-Código e Código Climático concebido este ano e cujo conteúdo vai de encontro àquilo que havia sido definido no Plano de Ação.

Feliz Dia Mundial do Ambiente!…

Realiza-se no próximo dia 29 de Maio de 2017, no Auditório do Instituto de Soldadura e qualidade (ISQ), no Taguspark, em Oeiras, o Seminário “Descarbonização da Economia – Novos Desafios para os Edifícios“.

Descarbonização da Economia - Novos Desafios para os Edifícios

Este evento tem como objetivo apresentar dois projetos de investigação europeus, o MOEEBIUS e o ClimACT, e ao mesmo tempo divulgar os mais recentes desenvolvimentos no enquadramento, implementação e financiamento da eficiência energética em edifícios.

PROJETO CLIMACT | ClimACT – “Acting for the transition to a low carbon economy in schools – development of support tools” visa promover a transição para uma economia de baixo carbono no sector da educação, criando uma rede temática na região SUDOE e utilizando uma metodologia de Living Lab para apoiar o desenvolvimento de ferramentas inovadoras e modelos de negócios específicos para escolas. As soluções desenvolvidas serão validadas em 35 escolas demonstradoras localizadas em Portugal, Espanha, França e Gibraltar.

PROJETO MOEEBIUS | MOEEBIUS – “Modelling Optimization of Energy Efficiency in Buildings for Urban Sustainability” introduz uma metodologia holística de otimização da eficiência energética, com o objetivo de melhorar as estratégias atuais de modelação e disponibilizar ferramentas de simulação inovadoras capazes de descrever a operação dos edifícios em contexto real. As soluções desenvolvidas serão validadas em diversos tipos de edifícios localizados em Portugal, no Reino Unido e na Sérvia.

A inscrição é gratuita mas obrigatória.

Fruto do trabalho realizado no âmbito do Programa Eco-Escolas, a Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL-IPL) foi selecionada para integrar o conjunto de 35 escolas piloto de Portugal, Espanha, França e Gibraltar associadas ao projeto Interreg Sudoe ClimACT, que pretende apoiar as escolas na transição para uma economia de baixo carbono.

Projeto ClimACT promove auditoria energética na ESTeSL

No âmbito do ClimACT, o Instituto de Soldadura e Qualidade (ISQ), um dos parceiros do projeto, começou hoje a auditoria energética na Escola, de forma a fazer a caracterização energética pormenorizada da ESTeSL e que se prolongará até ao dia 31 de maio. No decurso do dia de hoje, acompanhados pelo colaborador da ESTeSL Carlos Gonçalves, a equipa do ISQ (Cláudia Mafra, Ricardo Leandro e Rui Alves) fez a caracterização dos espaços e equipamentos.

A auditoria consistirá em efetuar medições energéticas em quadros elétricos e equipamentos, bem como fazer uma caracterização aprofundada da iluminação, equipamentos e horários de utilização de cada espaço da ESTeSL, com o objetivo de garantir o diagnóstico inicial que servirá de baseline para o trabalho a desenvolver nos próximos anos no domínio da energia.

O convite para a ESTeSL integrar este projeto decorreu do trabalho que tem vindo a ser feito desde o ano letivo 2010/2011 no âmbito do Programa Eco-Escolas e que já tem merecido, por diversas ocasiões, o reconhecimento a nível nacional e internacional.

Interreg Sudoe ClimACT (webpage)

O Interreg Sudoe ClimACT já tem disponível uma webpage dedicada especificamente ao projeto, a partir da qual poderão, de forma complementar à página do Facebook, seguir todas as atividades e ficar a saber um pouco mais acerca da “transição para uma economia de baixo carbono nas escolas” e onde a Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) surge como uma das escolas piloto.

Relembramos que o ClimACT encontra-se alicerçado em quatro linhas de atuação, nomeadamente: (i) desenvolvimento de ferramentas de apoio à decisão que permitirão às escolas aumentar sua eficiência energética, através da gestão inteligente de recursos, energias renováveis e alteração de comportamentos; (ii) desenvolvimento de modelos de negócio e de novas estratégias de gestão energética para as escolas; (iii) desenvolvimento de ferramentas educacionais para a sensibilização em baixo carbono; e (iv) criação de uma rede temática/Living Lab na região SUDOE (Sudoeste Europeu) para promover a consciencialização e capacitação, tendo sido submetido ao programa Interreg SUDOE, que visa promover a cooperação transnacional para resolver problemas comuns às regiões do Sudoeste Europeu, estando entretanto aprovado e inserido no eixo prioritário “Economia de Baixo Teor de Carbono”.

Associado ao Lisboa Bike Sharing (rede de bicicletas partilhadas), o Parque das Nações irá participar na fase piloto com cerca de 90 bicicletas, das quais 60 são elétricas e 30 são clássicas, que deverão começar a circular nesta zona da cidade de Lisboa já no próximo mês de maio.

Lisboa Bike Sharing

Segundo conseguimos apurar, as bicicletas públicas estarão espalhadas por estações (inicialmente 10 que passarão a 15 aquando da implementação final) entre a zona sul  e a estação de comboios de Moscavide (consultar mapa). A sua utilização durante os trinta dias da fase-piloto é gratuita para os inscritos que forem selecionados. Numa fase posterior haverá dois tipos de passe – anual de 25 euros e mensal de 15 euros, aos quais acresce uma tarifa de 10 cêntimos (bicicletas clássicas) ou 20 cêntimos (bicicletas elétricas) por cada período de meia hora de utilização, até um máximo de 40 viagens.

Para poderem integrar esta fase experimental, os interessados devem inscrever-se no site Lisboa Bike Sharing e devem ser utilizadores de smartphones, na medida em que o telemóvel será necessário para descarregar a aplicação e usar o sistema de rede.

Ultrapassada a fase de testes, a EMEL estima que a rede esteja operacional já no próximo verão em toda a cidade de Lisboa. Ao todo, estão previstas 140 estações – isto é, postos de levantamento e parqueamento de bicicletas públicas – e mais de 1400 bicicletas públicas fornecidas pela empresa portuguesa Órbitra, que venceu o concurso público.




Introduza o seu e-mail


Outubro 2017
S T Q Q S S D
« Set    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  
Categorias
Parceiros