Archive for the ‘Educação Ambiental’ Category

WINNERS at "Interreg Talks 6 Projects, 1 Slam", during European Week of Regions & Cities

No decurso desta semana, a Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL-IPL) marcou presença na European Week of Regions and Cities (EURegionsWeek), que teve lugar em Bruxelas, na Bélgica, nos dias 8, 9 e 10 de outubro. Esta presença decorreu da participação da estudante Inês César (membro do Conselho Eco-Escolas e da Comissão Baixo Carbono), onde representou os estudantes portugueses associados ao projeto Interreg Sudoe ClimACT, enquanto estudante do ensino superior.

O ClimACT estava nomeado para os RegioStars e para o “Interreg Talks: 6 projects, 1 slam”, tendo sido um dos vencedores no Project Slam do Interreg Talks, onde foram apresentados todos os projetos finalistas.

A apresentação do ClimACT ficou a cargo de um grupo de estudantes das escolas participantes (onde se inclui a ESTeSL), representantes de Portugal, França, Espanha e Gibraltar, e que foram acompanhados nesta missão por alguns professores e parceiros do projeto.

Esta vitória, decorre do trabalho de uma equipa maior, constituída por estudantes (e respetivas famílias), docentes e não docentes, toda a comunidade académica e comunidade envolvente das quase quarenta escolas ClimACT, assim como do trabalho exaustivo de todos os parceiros (universidades, autarquias, empresas, centros de investigação, organizações não governamentais e outras).

Este é o caminho que perspetiva fazer e que começa agora, nas escolas, rumo a uma economia de baixo carbono, que urge alcançar.

Muitos parabéns a TODOS!

Muitos parabéns às estudantes Jéssica Moreira, Margarida Mossâmedes, Susana Camala e Suazilene Sacramento, do curso de licenciatura em Saúde Ambiental da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL-IPL) pelo trabalho submetido ao ISWA Video Award 2018, promovido pela International Solid Waste Association (ISWA), e que acabou por conquistar o segundo lugar deste concurso internacional.

De entre os 32 trabalhos submetidos, representantes de 18 países (África do Sul, Austrália, Áustria, Estados Unidos da América, Filipinas, Finlândia, França, Grécia, Hungria, India, Indonésia, Itália, Malásia, Nigéria, Portugal, Reino Unido, Singapura e Vietnam), as estudantes da ESTeSL acabaram por garantir o segundo lugar. Para além do segundo lugar conquistado por Portugal, importa salientar o facto do trabalho ter sido realizado sem grandes conhecimentos de recolha e edição de imagem, dando-se destaque à mensagem que se pretendia transmitir. O primeiro lugar foi conquistado por um trabalho das Filipinas e o terceiro lugar foi atribuído a um trabalho da Grécia.

O vídeo foi submetido a título individual e sem associação à ESTeSL, conforme as regras ditavam, mas resultou de um trabalho conjunto desenvolvido no âmbito da unidade curricular de Gestão de Resíduos II, sob orientação do professor Vítor Manteigas. Muitos parabéns a TODOS os estudantes que, independentemente do curso, e para além das vencedoras, têm vindo a realizar trabalhos que de algum modo temos conseguido associar ao programa Eco-Escolas e ao projeto Interreg Sudoe ClimACT. Parabéns!!

The theme of this year’s award is “What Happens to my Waste?”

The ISWA Video Award is an online short video competition. Whether documentary, fiction, animation or a combination thereof – the decision about the film genre as well as the technical realisation is left up to the contestant. Only the length of the film is specified. The video must be minimum 30 seconds and should not exceed a total duration of 80 seconds.

Este vídeo tem como objetivo referir os riscos associados ao abandono de resíduos de plástico no ambiente, que apresentam um crescente perigo para este e, consequentemente, para a saúde pública. Muitas vezes, o destino final destes resíduos é o oceano e o seu longo período de degradação afeta a fauna e a flora. Pretendemos descrever o percurso de uma tampa de plástico de uma forma direta e simples, desde o momento em que é lançada para o chão até chegar ao oceano, percorrendo entretanto vários locais do mundo. Um ato tão simples e tão breve pode ter consequências devastadoras ao longo do tempo. O plástico tem um impacto negativo se não for encaminhado para tratamento adequado.

A Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL-IPL) voltou a marcar presença na rubrica “Vida Verde” do programa “Manhãs na TV”, com a participação do professor Vítor Manteigas, coordenador dos programas Eco-Escolas e Jovens Repórteres para o Ambiente e coordenador Baixo Carbono, no âmbito do projeto Interreg Sudoe ClimACT.

Nesta terceira participação, o tema de conversa foi o Programa Eco-Escolas, tendo-se feito alusão aos sete passos associados à metodologia, assim como a alguma da história das Eco-Escolas em Portugal e no mundo, não deixando de se referir aquela que é a sua implementação nos diferentes níveis de ensino e as mais-valias daí decorrentes.

Muito obrigado a toda a equipa do “Manhãs na TV”, nas pessoas do Ricardo Lourenço e da Fátima Nunes, por continuarem a apostar na participação do “Eco-Escolas ESTeSL” na rubrica “Vida Verde”.

O vídeo da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL-IPL) “Porque a água importa!…” garantiu o primeiro lugar (exaequo) no Jovens Repórteres para o Ambiente deste ano, na categoria “Vídeo Campanha”.

Este foi um trabalho das estudantes do curso de licenciatura em Saúde Ambiental da ESTeSL, Catarina Ricardo, Felícia Silva, Inês César e Joana Ferreira, adaptado do trabalho com o qual já haviam participado e sido finalistas do concurso “I LIVE GREEN”, da Agência Europeia do Ambiente, na categoria de Clean Water  (ver  A ESTeSL é finalista do “I LIVE GREEN” e o vosso voto importa!).

Seja consciente… não polua, cuide, poupe ÁGUA! 

Depois de no último ano, uma grande parte do território português ter atravessado um largo período de seca severa, é imperioso ter-se consciência da necessidade de não poluir, de cuidar e de poupar água, um recurso cada vez mais escasso em algumas zonas do território.

A Associação Bandeira Azul da Europa convida toda a comunidade Eco-Escolas a votar no(s) poster(es) Eco-Código que mais forem do vosso agrado para que, em cada escalão, os que vierem a ter mais mais “LIKES” sejam premiados com o Prémio Comunidade Virtual.

A Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL-IPL), sendo escola-piloto do projeto Interreg Sudoe ClimACT, tem a concurso um poster com o seu Código Climático e o vosso “voto” pode fazer a diferença.

Para poderem contribuir para o sucesso do Código Climático da ESTeSL neste desafio na comunidade virtual, basta terem um perfil registado no Facebook e, depois de acederem ao nosso poster Eco-Código e Código Climático (clicar AQUI), deixar o vosso “LIKE”. Em alternativa poderão “GOSTAR” fazendo uso da imagem incorporada nesta publicação.

Contamos convosco!

Para a realização do projeto submetido ao Concurso Nacional Poster Eco-Código / Código Climático 2018, foi proposto a um grupo específico de estudantes que, no âmbito do Programa Eco-Escolas e unidade curricular de Estágio em Saúde Ambiental I e, em conjunto com o professor responsável, a elaboração de um póster Código Climático em que estivessem contemplados os temas-base no âmbito do projeto Interreg Sudoe ClimACT (água, resíduos, energia, espaços verdes/floresta, mobilidade e compromisso verde) e pelo menos um dos temas facultativos (alimentação saudável e sustentável), indo de encontro também ao Plano de Ação previamente definido.

Foi pedido a cada um dos membros da Comissão Baixo Carbono que, com a colaboração dos colegas dos respetivos cursos de licenciatura (no caso dos estudantes), sugerissem frases tendo em conta os pressupostos anteriores, visando a criação ou alteração de atitudes e comportamentos conducentes à melhoria do ambiente tanto na escola como em casa. As inúmeras frases propostas foram sujeitas a votação e seriação, das quais resultaram as apresentadas no poster.

Este ano, e de forma a garantir uma vinculação efetiva ao projeto Interreg Sudoe ClimACT, optou-se por fazer-se uso da imagem do projeto, depois da devida autorização por parte de equipa coordenadora. Ambas as etapas foram realizadas sob orientação do professor responsável pelo grupo de trabalho e coordenador Eco-Escolas/Baixo Carbono, e sendo igualmente sujeita à “ratificação” dos elementos do Conselho Eco-Escolas/Comissão Baixo Carbono.

A Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL-IPL) volta a vencer uma das atividades criativas da Geração Depositrão!!

A ESTeSL candidatou-se com a submissão de um vídeo de animação sobre “A Carga Máxima protege a Floresta”. Para a realização do vídeo de animação, foi lançado o desafio aos estudantes do curso de licenciatura em Saúde Ambiental para que, no âmbito da unidade curricular de Gestão de Resíduos, realizassem um trabalho que cumprisse os requisitos definidos para o desafio “A Carga Máxima protege a Floresta”. A turma foi dividida em grupos de trabalho que, após a abordagem ao fluxo específico de resíduos de pilhas e acumuladores portáteis, prepararam guiões para os vídeos que se propuseram fazer. No total, foram envolvidos 34 estudantes e o professor responsável da unidade curricular que, após a concretização de todos os vídeos (cinco), selecionou aquele que iria representar a Escola no concurso da Geração Depositrão.

O vídeo apresentado a concurso foi pensado, discutido e elaborado pelas estudantes Ana Margarida Correia, Jéssica Moreira, Susana Camala e Suazilene Sacramento, tendo por base os critérios definidos para a atividade criativa, associando as pilhas, enquanto resíduo, à floresta e aos riscos decorrentes do seu abandono.

Com uma linguagem simples e de compreensão acessível, tendo em conta o público alvo, vão-se dando algumas indicações que ajudam a interpretar a mensagem que se quer associar à animação e que segue o percurso da “floresta ao prato”, deixando claro os riscos de se deixar as pilhas sem encaminhamento e tratamento adequados. As substâncias nocivas são representadas pelos metais pesados que têm um efeito cumulativo na cadeia alimentar, fazendo o percurso desde a floresta até ao prato, passando pelos rios, oceanos, algas e peixes.

A mensagem a reter é… Pilhas na floresta… NÃO!

Foi publicada na passada sexta-feira, dia 6 de julho, a Resolução da Assembleia da República n.º 158/2018, que recomenda ao Governo que realize uma avaliação de impacto do programa Eco-Escolas.

No ponto 1 do documento, aprovado no dia 6 de abril, pode ler-se que a Assembleia da República propõe ao Governo que “elabore um estudo de avaliação de impacto do Programa Eco-Escolas, nomeadamente ao nível dos projetos realizados e do seu efeito transformador, e da alteração de atitudes e práticas das comunidades educativas que participaram no programa”.

No ponto dois, a Assembleia da República sugere que “na sequência dos resultados dessa avaliação [proposto no ponto anterior], pondere a expansão da rede Eco-Escolas a todos os agrupamentos de escolas, bem como às instituições de ensino superior”.

A Assembleia da República recomenda ao Governo que realize uma avaliação de impacto do Programa Eco-Escolas

A confirmar-se a sugestão enunciada no ponto 2, a Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL-IPL) já leva, pelo menos, oito anos “de avanço”, com trabalho efetivo no âmbito do Programa Eco-Escolas. Esperemos que num futuro próximo, tenhamos muitas mais instituições de ensino superior a integrar a rede Eco-Escolas.




Introduza o seu e-mail


Novembro 2018
S T Q Q S S D
« Out    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  
Categorias
Parceiros