Archive for the ‘Educação Ambiental’ Category

Hoje, último dia oficial dos três dias de luto pelas vítimas do incêndio que deflagrou no Município de Pedrógão Grande, decretado pelo Governo como forma de pesar de toda a população nacional pela perda dessas vidas (ver Decreto n.º 18-A/2017 de 19 de junho) e que nos tem feito manter a bandeira de Portugal e a Bandeira Verde (do Programa Eco-Escolas) a meia haste, damos a conhecer o comunicado da Associação Bandeira Azul da Europa (ABAE) sobre Floresta, Incêndios e Educação, que subscrevemos.

Floresta, Incêndios e Educação e o luto nacional, com as bandeiras a meia haste...

Portugal precisa de mais Oxigénio!

É com profundo pesar que a Associação Bandeira Azul da Europa (ABAE) acompanha o flagelo dos incêndios que ocorrem no Centro do País. A ABAE apresenta as condolências aos familiares e amigos das vítimas, e sublinha o seu apoio aos bombeiros e a todas as pessoas que ajudam a combater os incêndios e a apoiar as suas vítimas.

A ABAE recomenda ainda a todas as entidades galardoadas no âmbito dos seus Programas (praias, marinas, embarcações, escolas, municípios, freguesias, estabelecimentos de alojamento e restauração) que coloquem as bandeiras a meia haste durante os três dias de luto nacional.

Além deste gesto simbólico de solidariedade às vítimas, a ABAE compromete-se ainda a desenvolver juntamente com entidades públicas e privadas que se queiram associar aos programas e projetos em questão, um conjunto de novas iniciativas de âmbito nacional sobre as florestas, visando amplificar o trabalho de educação ambiental para a sustentabilidade que já é realizado, pois consideramos que o melhor caminho é a prevenção!
E a prevenção passa pela Educação de todos: crianças, jovens, cidadãos adultos, autarcas e decisores.

No Programa Eco-Escolas, o tema “Floresta” passará a ser um tema obrigatório a tratar pelas Escolas que participam no Programa já no próximo ano letivo, além dos atuais Água, Resíduos e Energia (nota: uma especial palavra de conforto às 2 Eco-Escolas de Pedrogão Grande).
No Programa Bandeira Azul, que conta com várias praias fluviais que também foram afetadas, serão promovidas mais atividades de educação ambiental sobre as florestas junto dos utentes das praias, marinas e portos de recreio. E ainda, no Programa ECOXXI e projeto Eco-Freguesias XXI, dirigido às autarquias, serão reforçados os indicadores de avaliação na área “Florestas”.

A gestão do território é essencial para prevenir que catástrofes como esta voltem a acontecer. Com as alterações climáticas, Portugal tem de estar melhor preparado, através da educação e do trabalho a nível local, municipal e nacional. É urgente por em prática a limpeza atempada e adequada das áreas florestais, o controlo das espécies invasoras, a replantação das árvores autóctones, o cumprimento efetivo da legislação, assim como a construção e manutenção de aceiros e cortinas de segurança, entre outros aspetos, e com ênfase na educação ambiental de toda a sociedade. É tempo de mudar de atitude perante a nossa floresta.

Relembramos por último as recomendações do ICNF para que durante o “Período Crítico” (a ser alargado?) nos espaços florestais e agrícolas não é permitido:

  • fumar, fazer lume ou fogueiras;
  • fazer queimas ou queimadas;
  • lançar foguetes e balões de mecha acesa;
  • fumigar ou desinfestar apiários, salvo se os fumigadores estiverem equipados com dispositivos de retenção de fagulhas;
  • a circulação de tratores, máquinas e veículos de transporte pesados que não possuam extintor, sistema de retenção de fagulhas ou faíscas e tapa chamas nos tubos de escape ou chaminés.

Vamos todos ajudar a cuidar das Florestas!
Precisamos de mais Oxigénio!

José Archer
Presidente da Associação Bandeira Azul da Europa

Em pleno Dia Mundial do Ambiente, evento que se celebra anualmente a 5 de junho e que tem como objetivo alertar as populações e os governos para a necessidade de garantir a proteção e a preservação do ambiente, divulgamos o nosso Eco-Código que é cumulativamente o Código Climático, dando assim cumprimento a uma das atividades previstas no projeto ClimACT (#InterregSudoeClimACT).

Poster Eco-Código e Código Climático da ESTeSL (2017)
Estamos a pouco dias de começar uma longa época de avaliações (último momento de avaliação e exames) e a semanas de terminar mais um ano de intenso trabalho associado à implementação do Programa Eco-Escolas e do projeto Interreg Sudoe ClimACT na Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL). Após a adoção da metodologia de trabalho subjacente à sua efetiva implementação, que culmina com a elaboração e divulgação do Eco-Código | Código Climático (Conselho Eco-Escola/Comissão Baixo Carbono, Auditoria Ambiental, Plano de Ação, Monitorização, Trabalho Curricular, Informação e Envolvimento da Comunidade Local e, por último, Eco-Código/Código Climático), apresentamos-vos aquele que é o Poster Eco-Código e Código Climático concebido este ano e cujo conteúdo vai de encontro àquilo que havia sido definido no Plano de Ação.

Feliz Dia Mundial do Ambiente!…

Foi na passada sexta-feira, dia 2 de junho, que uma comitiva da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) participou na Missão Litter Less Ericeira, tal como já havíamos anunciado (ver Estudantes da ESTeSL participam na limpeza de praias da Ericeira).

ESTeSL na Missão Litter Less (Ericeira, Portugal)

O convite para a ESTeSL participar nesta missão decorreu do reconhecimento da qualidade do trabalho desenvolvido pelos estudantes do curso de licenciatura em Saúde Ambiental, Beatriz Luz, Hugo Silva e Sofia Coelho, no âmbito da Litter Less Campaign, e que foi entretanto escolhido para representar Portugal no concurso internacional (ver ESTeSL representa Portugal no concurso internacional Litter Less Campaign). Em substituição daqueles estudantes que, por motivos académicos, não puderam marcar presença na Ericeira, participaram as estudantes Cristiana Costa, Jéssica Moreira e Laura Fernandes que foram acompanhadas pelo professor Vítor Manteigas, coordenador Eco-Escolas e coordenador Baixo Carbono.

A missão teve início logo pelas 9 horas, com o ponto de encontro marcado para o Parque da Campismo da Ericeira (onde haviam pernoitado alguns dos participantes). A partir daí seguiu-se a pé até à praia dos Pescadores onde teve lugar uma sessão sobre lixo marinho e microplásticos com a Dra. Paula Sobral da Associação Portuguesa de Lixo Marinho, seguida da limpeza da praia e da visita ao Centro de Interpretação da Reserva Mundial de Surf. Depois do almoço, e já na praia do Algodio, teve lugar uma sessão (entrevista) com elementos do Ericeira Surf Club que culminou com uma aula de iniciação ao surf na praia do Matadouro.

O fim da missão aconteceu já perto das 17 horas, com o regresso a Lisboa e à ESTeSL, em carpool, na companhia do Rúben de Matos, vencedor do Me and YRE (YRE Short Video Competition).

Interreg Sudoe ClimACT (webpage)

O Interreg Sudoe ClimACT já tem disponível uma webpage dedicada especificamente ao projeto, a partir da qual poderão, de forma complementar à página do Facebook, seguir todas as atividades e ficar a saber um pouco mais acerca da “transição para uma economia de baixo carbono nas escolas” e onde a Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) surge como uma das escolas piloto.

Relembramos que o ClimACT encontra-se alicerçado em quatro linhas de atuação, nomeadamente: (i) desenvolvimento de ferramentas de apoio à decisão que permitirão às escolas aumentar sua eficiência energética, através da gestão inteligente de recursos, energias renováveis e alteração de comportamentos; (ii) desenvolvimento de modelos de negócio e de novas estratégias de gestão energética para as escolas; (iii) desenvolvimento de ferramentas educacionais para a sensibilização em baixo carbono; e (iv) criação de uma rede temática/Living Lab na região SUDOE (Sudoeste Europeu) para promover a consciencialização e capacitação, tendo sido submetido ao programa Interreg SUDOE, que visa promover a cooperação transnacional para resolver problemas comuns às regiões do Sudoeste Europeu, estando entretanto aprovado e inserido no eixo prioritário “Economia de Baixo Teor de Carbono”.

O trabalho dos estudantes do curso de licenciatura em Saúde Ambiental da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL), Beatriz Luz, Hugo Silva e Sofia Coelho, associado à Litter Less Campaign (ver “Beatas no chão… NÃO!” e a participação da ESTeSL na Litter Less Campaign), do qual resultou uma fotorreportagem e vídeo-reportagem, foi selecionado para representar Portugal no concurso internacional Litter Less do Young Reporters for the Environment, no escalão 19-21 anos, categoria de fotorreportagem.

Independentemente do resultado que se venha a obter no concurso internacional, este resultado é já uma “vitória” só possível em função do empenho e dedicação dos estudantes e da prestimosa colaboração do Miguel Faria, do “Portugal Sem Beatas”, a quem deixamos  o nosso muito obrigado.

Litter Less Campaign (fotorreportagem ESTeSL, Portugal)

CIGARETTE BUTTS ARE ONE OF THE CORNERSTONES OF THE PROBLEM…

It is known that cigarette butts are the type of waste most frequently found in our beaches.

The microplastics, as well as the heavy metals in cigarette butts, usually enter a cycle that affects the whole ecosystem: earth, sea, air and, naturally, animals and human beings.

In the campaign of collecting cigarette butts, performed by three Environmental Health students on the campus of the Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) and at the beach of Costa da Caparica, near Lisbon, in just one hour was collected the equivalent volume of five liters.

Litter Less Campaign é um projeto internacional coordenado pela Foundation for Environmental Education (FEE), que desafia jovens de 9 países da rede Jovens Repórteres para o Ambiente a observar, interpretar, reportar e encontrar soluções mais sustentáveis para a problemática dos resíduos e que em Portugal vai já na sua terceira edição.

Depois das participações anteriores (ver #LitterLessCampaign), este ano os estudantes do curso de licenciatura em Saúde Ambiental da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL), Beatriz Luz, Hugo Silva e Sofia Coelho, decidiram explorar um dos problemas ambientais que assolam a orla costeira portuguesa, realizando uma pequena vídeo-reportagem sobre os resíduos de cigarros e as nossas praias (Beatas no chão… NÃO!), entretanto submetida a concurso.

Estima-se que por minuto, o mercado mundial produza perto de 11 milhões de cigarros para dar resposta ao consumo de cerca de 4,5 triliões de cigarros em todo o mundo. Em Portugal, são vendidos mil milhões de cigarros por mês e, assumindo-se que 30% das beatas destes cigarros vão parar ao chão, significa que teremos, a cada minuto, mais 7000 beatas nas ruas portuguesas. Atualmente, sabe-se que as beatas de cigarro são o resíduo que podemos encontrar em maior quantidade nas nossas praias, sendo que as micropartículas, assim como os metais pesados existentes nas beatas, tendem a entrar num ciclo que afeta todo o ecossistema: terra, mar, ar e naturalmente, os animais e os seres humanos. Por todos estes motivos, importa sensibilizar a população em geral, e os fumadores em particular, fazendo-se o diagnóstico daquela que é a realidade nas praias portuguesas, identificando as causas e apontando soluções que tendem a ser estruturais mas que implicam, invariavelmente, a educação para a cidadania.

Teve lugar esta tarde, dia 23 de fevereiro, uma reunião permanente do Conselho Eco-Escolas e, cumulativamente, da Comissão Baixo Carbono da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL). Esta reunião, exclusivamente com conselheiros da comunidade académica, contou com a participação da professora Graça Andrade, Vice-Presidente da ESTeSL (conselheira representante da Presidência), para além dos coordenadores do Programa Eco-Escolas, professores Ana Monteiro e Vítor Manteigas (igualmente Coordenador Baixo Carbono), assim como de representantes dos estudantes dos diferentes cursos de licenciatura, representantes dos docentes e representantes dos funcionários não docentes. Tendo em conta a integração da ESTeSL no projeto ClimACT, foram convidados a participar na reunião, os elementos da Brigada Baixo Carbono. No decurso da reunião, foi apresentada a metodologia do Programa Eco-Escolas, assim como o projeto ClimACT, tendo sido enfatizado o paralelismo entre ambos e o facto de que nos próximos anos o trabalho desenvolvido no âmbito do Programa Eco-Escolas estar associado ao projeto ClimACT. Foi feita também uma apresentação sumária dos resultados do questionário comportamental aplicado a toda a comunidade académica e que, em conjunto com a auditoria ambiental e energética a realizar em breve, irá contribuir para a definição do Plano de Ação.

Reunião da Comissão Baixo Carbono da ESTeSL (Projeto ClimACT)

Tendo em conta a relevância do projeto ClimACT, enquanto promotor da transição para uma economia de baixo carbono na ESTeSL, que implicará o envolvimento de todos (sem exceção!), é expectável ter-se em breve (em data ainda a determinar), uma sessão aberta a toda a comunidade académica e onde se espera poder contar com a presença dos conselheiros externos, para uma apresentação pública do ClimACT.




Introduza o seu e-mail


Outubro 2017
S T Q Q S S D
« Set    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  
Categorias
Parceiros