Archive for the ‘Desenvolvimento Sustentável’ Category

Teve lugar esta tarde, dia 23 de fevereiro, uma reunião permanente do Conselho Eco-Escolas e, cumulativamente, da Comissão Baixo Carbono da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL). Esta reunião, exclusivamente com conselheiros da comunidade académica, contou com a participação da professora Graça Andrade, Vice-Presidente da ESTeSL (conselheira representante da Presidência), para além dos coordenadores do Programa Eco-Escolas, professores Ana Monteiro e Vítor Manteigas (igualmente Coordenador Baixo Carbono), assim como de representantes dos estudantes dos diferentes cursos de licenciatura, representantes dos docentes e representantes dos funcionários não docentes. Tendo em conta a integração da ESTeSL no projeto ClimACT, foram convidados a participar na reunião, os elementos da Brigada Baixo Carbono. No decurso da reunião, foi apresentada a metodologia do Programa Eco-Escolas, assim como o projeto ClimACT, tendo sido enfatizado o paralelismo entre ambos e o facto de que nos próximos anos o trabalho desenvolvido no âmbito do Programa Eco-Escolas estar associado ao projeto ClimACT. Foi feita também uma apresentação sumária dos resultados do questionário comportamental aplicado a toda a comunidade académica e que, em conjunto com a auditoria ambiental e energética a realizar em breve, irá contribuir para a definição do Plano de Ação.

Reunião da Comissão Baixo Carbono da ESTeSL (Projeto ClimACT)

Tendo em conta a relevância do projeto ClimACT, enquanto promotor da transição para uma economia de baixo carbono na ESTeSL, que implicará o envolvimento de todos (sem exceção!), é expectável ter-se em breve (em data ainda a determinar), uma sessão aberta a toda a comunidade académica e onde se espera poder contar com a presença dos conselheiros externos, para uma apresentação pública do ClimACT.

I Encontro Nacional de Bibliotecas Públicas para o Desenvolvimento SustentávelA International Federation of Library Associations and Institutions (IFLA) divulgou no decurso do ano passado, a 28 de Junho de 2016, um documento orientador para as bibliotecas do mundo  – Access and Opportunity for All: How Libraries contribute to the United Nations 2030 Agenda – veiculando a importância que estes equipamentos culturais e construtores de conhecimento têm no cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

A declaração Statement on Libraries and Sustainable Development já introduzira em 2002 o acesso à informação como fator preponderante para a promoção do desenvolvimento sustentável e o Libraries and implementation of the UN 2030 Agenda – toolkit (2015) enquadra as bibliotecas como motor para o desenvolvimento local e regional.

I Encontro Nacional de Bibliotecas Públicas para o Desenvolvimento Sustentável proposto agora pela Rede de Bibliotecas Municipais de Loures, pretende criar um espaço de debate e discussão no seio das bibliotecas publicas portuguesas reunindo representantes da DGLAB e da BAD bem como entidades externas locais que se possam constituir como futuros parceiros na implementação de projetos que consubstanciem os ODS da Agenda 2030.

Este encontro que se realizará no dia 10 de Fevereiro na Biblioteca Municipal José Saramago (Loures) irá reunir alguns projetos de bibliotecas públicas nacionais para os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (painel da manhã) e uma mesa redonda que irá juntar bibliotecários e representantes de entidades públicas ligadas à saúde, emprego e missão social (tarde).

Para mais informações, sugerimos que consultem o programa.

Associado ao projeto Interreg Sudoe ClimACT, teve lugar nos passados dias 26 e 27 de janeiro, na Escuela Técnica Superior de Ingeniería de Sevilla, da Universidade de Sevilha, o segundo encontro de parceiros que contou com representantes do Instituto Superior Técnico (IST), do Instituto de Soldadura e Qualidade, da Edigreen, da Associação Bandeira Azul da Europa (Portugal), do Centro de Investigaciones Energéticas, Medioambientales y Tecnológicas, da Universidad de Sevilla (Espanha), da Université de la Rochelle, da Ville de la Rochelle (França) e da University of Gibraltar (Gibraltar).

Eco-Escola ESTeSL participa em reunião internacional do projeto Interreg Sudoe ClimACT

A equipa portuguesa, que saiu de Lisboa em carpool, integrou também elementos da comunidade académica da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL), nomeadamente o professor Vítor Manteigas, Coordenador Eco-Escolas/Coordenador Baixo Carbono da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL), que está a desenvolver o seu projeto de doutoramento no IST, associado ao projeto Interreg Sudoe ClimACT, assim como o estudante de Saúde Ambiental Carlos Pina que, no decurso do seu estágio em Saúde Ambiental do primeiro semestre (que teve lugar do Campus Tecnológico e Nuclear do IST), desenvolveu trabalho associado à metodologia a utilizar nas auditorias energéticas e ambientais às escolas piloto do projeto, para as dimensões “transportes”, “compras verdes” e “espaços verdes”, fazendo com que a Eco-Escola ESTeSL acabasse por estar representada no encontro.

Para mais informações, ver também ESTeSL na “luta” pela transição para uma economia de baixo carbono (ClimACT)Equipa portuguesa do projeto Interreg Sudoe ClimACT de visita à ESTeSL e A ESTeSL, o projeto ClimACT e as Eco-Escolas.

No âmbito da Exposição Clima Expo 360º, sobre as Alterações Climáticas, patente no Museu Nacional de História Natural e de Ciência  (MUHNAC) até 28 de fevereiro de 2017, vai ser exibido amanhã, dia 31 de janeiro às 17h30m na sala Vandelli, do MUHNAC, o documentário coproduzido e apresentado por Leonardo DiCaprio “Before the Flood“.

Before the Flood

Neste documentário, com a chancela da National Geographic, Leonardo DiCaprio viaja pelos cinco continentes e o Ártico testemunhando as alterações climáticas que estão a ocorrer no mundo e contribuindo para divulgar ações que podem ser feitas por todos para prevenir eventos climáticos catastróficos. Durante a jornada, DiCarpio fala com cientistas, líderes mundiais, ativistas mas também residentes locais.

Após a exibição do documentário haverá um debate com a participação de Catarina Albuquerque (ONU), Susana Fonseca (ZERO) e Carlos da Câmara(FCUL) e moderado por João Mourato (ICS Lisboa).

Depois de já termos feito alusão à Semana Europeia da Prevenção de Resíduos (ver REPack. Projeto da ESTeSL para a Semana Europeia da Prevenção de Resíduos), podemos adiantar-vos que tudo terá culminado ontem, sexta-feira, dia 25 de novembro.

Aproveitando a ocasião em que, um pouco por todo o mundo, se apelava ao consumo desmesurado – note-se que estamos a falar da Sexta-Feira Negra (Black Friday), estudantes do curso de licenciatura em Saúde Ambiental, responsáveis pelo projeto REPack, dinamizaram uma ação de sensibilização para a redução de resíduos de embalagens, promovendo aquilo a que chamaram Flashmob “STOP Packaging Waste”, acompanhado pela distribuição de marcadores de livros com a mensagem «”Recicle” o seu comportamento. Reduza os resíduos de embalagens.» em diferentes idiomas (português, inglês, alemão, francês e italiano).

Flashmob #STOPPackagingWasteHoje, com “alguma” irreverência, a equipa do projeto #REPack mexeu-se com ritmo e deixou o desafio… #UseLessPackaging #STOPPackagingWaste #EWWR2016 #ClimACT #ESTeSL #SaúdeAmbiental #Flashmob

Publicado por REPack em Sexta-feira, 25 de Novembro de 2016

Encontro Ibérico Eco-Universidades (Eco-Escolas do Ensino Superior)Irá ter lugar no próximo dia 18 de outubro, na Universidade do Minho (Campus de Gualtar), aquele que será o primeiro Encontro Ibérico Eco-Universidades |Eco-Escolas do Ensino Superior.

Numa organização conjunta da Associação Bandeira Azul da Europa (ABAE) e Câmara Municipal de Braga, com o apoio da Universidade do Minho, e associado a BRAGA’16, Capital Ibero-Americana da Juventude, várias instituições de ensino superior (politécnicos e universidades) portuguesas e espanholas irão partilhar experiências decorrentes da implementação do Programa Eco-Escolas e onde, naturalmente, a Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) se fará representar pelos professores coordenadores do Programa na ESTeSL (professores Ana Monteiro e Vítor Manteigas).

Para além da partilha de experiências, está previsto a criação de grupos/fóruns de trabalho que se irão,dentre outras coisas, debruçar sobre a adaptação a escolas do Ensino Superior, de alguns dos “7 passos” inerentes à metodologia de implementação do Programa (por exemplo, a Auditoria Ambiental).

Pretende-se, desta forma, criar condições de forma a aumentar o número de instituições de ensino superior participantes no Programa Eco-Escolas, porquanto a educação para o desenvolvimento sustentável é imperioso!

Daremos notícias… de Braga.

Foi no âmbito da unidade curricular de Saúde Ambiental do primeiro ano do Curso de Licenciatura em Saúde Ambiental da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL), que as estudantes Ana Rita Marques, Feliciana Camoço, Marta Silva e Susana Camala, realizaram um trabalho em formato de vídeo-reportagem onde são abordados os consumos energéticos na escola e apresentadas algumas das medidas que têm vindo a ser assumidas de forma a minimizar os respetivos consumos.

O trabalho “CONSUMOS ENERGÉTICOS… conhecer e melhorar as práticas da ESTeSL“, que contou com a colaboração da Dra. Ana Sabino, responsável pelo Serviço de Instalações, Infra-Estruturas e Equipamentos da ESTeSL, foi submetido ao Eco-Repórter da Energia (um concurso inserido no Programa Eco-Escolas), tendo garantido o terceiro lugar a nível nacional.

Parabéns às estudantes!

No decurso dos últimos anos, a Educação para o Desenvolvimento Sustentável tem vindo a fazer parte, de forma enfatizada e um pouco por todo o mundo, dos discursos associados ao ensino.

A Organização das Nações Unidas, ao designar o período de 2005 a 2014 como a Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável, procurou trazer à tona a necessidade dos agentes políticos e profissionais da educação encontrarem formas pelas quais a Educação para o Desenvolvimento Sustentável poderia tornar-se parte integrante da educação.

As condições do edifício e das salas de aula de uma escola, assim como os recursos existentes, e desejados no contexto do desenvolvimento sustentável, podem ser uma importante área de ação e reflexão para os estudantes.

Os edifícios escolares consomem uma parte significativa do total de energia consumida na Europa e representam mais de 12% do consumo nos edifícios do setor terciário. A fatura energética é tipicamente a segunda mais significativa, logo a seguir aos custos com o pessoal sendo por isso imperativo que as escolas desenvolvam estratégia de forma a reduzir os consumos energéticos.




Introduza o seu e-mail


Março 2017
S T Q Q S S D
« Fev    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  
Categorias
Parceiros