Archive for the ‘Cidadania’ Category

Foi no passado dia 10 de novembro que a Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL-IPL) promoveu a atividade “Hábitos Tabágicos: saúde e ambiente requerem uma ação urgente!”, associada ao Global Action Days (GAD), que contou com a parceria da Associação de Estudantes da ESTeSL, da Junta de Freguesia do Parque das Nações, da Associação Bandeira Azul da Europa (ABAE), do Portugal Sem Beatas e dos Green Smokers Alliance e que, para todos os efeitos, damos por termina hoje, já integrada na European Week for Waste Reduction (que decorre de 18 a 26 de novembro) com a avaliação final da ação.

A ESTeSL, os Global Action Days e a European Week for Waste Reduction

Na atividade Global Action Days da ESTeSL participaram cerca de 165 membros da comunidade académica, nomeadamente 2 docentes de Saúde Ambiental (coordenadores Eco-Escolas) e 2 de Cardiopneumologia, assim como 161 estudantes de Ciências Biomédicas Laboratoriais, Fisiologia Clínica, Fisioterapia, Imagem Médica e Radioterapia e de Saúde Ambiental, e contou ainda com a presença de Mário Patrício, Presidente da Junta de Freguesia do Parque das Nações, de um fiscal municipal da área da gestão urbana, assim como do fotógrafo da junta de freguesia.

Tal como havia sido inicialmente previsto, a atividade decorreu na Av. D. João II e na Alameda dos Oceanos, com início na Praça da Saúde e fim junto ao Pavilhão de Portugal. Os estudantes e docentes foram divididos em dois grupos que asseguraram a recolha de resíduos e a avaliação do monóxido exalado aos fumadores num percurso de aproximadamente 1000 metros.

Os estudantes de Fisiologia Clínica, acompanhados pelas docentes Anália Clérigo e Joana Belo, abordaram e mediram o monóxido de carbono a cerca de 27 fumadores (dos quais 5 de nacionalidade não portuguesa). A todos os fumadores foi feita uma breve abordagem sobre as vantagens em não fumar e referida a importância de procurar ajuda para a cessação tabágica.

No percurso realizado, foram vários os transeuntes que felicitaram a ESTeSL pela iniciativa, havendo inclusive alguns, maioritariamente não portugueses, que fizeram questão de participar, tendo acompanhado a atividade durante parte do percurso, recolhendo, também eles, alguns resíduos.

Os resíduos recolhidos, cerca de 15 quilogramas (aproximadamente 30000 unidades), serão entregues à associação Portugal Sem Beatas e aos Green Smokers Alliance, para que sejam objeto de reciclagem.

Esta ação, que teve também o propósito de contribuir para a integração dos novos estudantes, foi divulgada na plataforma EXARP (movimento que pretende valorizar as práticas positivas de integração de estudantes no ensino superior e afirmar as suas instituições como farol do conhecimento na sociedade e nos locais onde se inserem) sob a designação Global Action Days 2017  e mereceu destaque na comunicação social, tendo sido publicadas notícias na News Pharma e no Jornal Económico, assim como a divulgação na página da Associação Bandeira Azul da Europa.

Finda que está a atividade e integrando-a na European Week for Waste Reduction, deixamos aqui um agradecimento nominal a todos aqueles que participaram ativamente.

Muito obrigado…

Adriana Almeida, Adriana Porto, Afonso Correia, Alexandre Mergulhão, Ana Catarina Ferreira, Ana Catarina Tendeiro, Ana Cláudia Salsinha, Ana Isabel Jorge, Ana Margarida Alves, Ana , Margarida Correia, Ana Margarida Fraga, Ana Medeiros, Ana Monteiro, Ana Raquel Rita, Ana Roque, Ana Sena, Ana Sofia Padinha, Anália Clérigo, Andreia Cristovão, Andreia Machado, Bárbara Almeida, Beatriz Bernardo, Beatriz Bom, Beatriz Cordeiro da Silva, Beatriz Leão, Beatriz Luz, Beatriz Marques, Beatriz Rodrigues, Beatriz Teixeira, Bernardo Silva, Bruna Gouveia, Carina Nunes, Carina Silva, Carolina Fernandes, Carolina Fernandes, Carolina Morais, Carolina Rodrigues, Catarina Alemão, Catarina Anastácio, Catarina Gomes, Catarina Henriques, Catarina Horta, Catarina Lopes, Catarina Nunes, Catarina Soares, Catarina Teixeira, Cátia Feliz, Cláudia Rodrigues, Cristiana Costa, Cristina Freitas, Dalila Gonçalves, Daniel Costa, Daniel Parreira, Daniela Godinho, Daniela Lourenço, Daniela Mestre, David Chaves, Débora Cruz, Diogo Alexandre, Diogo Araújo, Diogo Lázaro, Eduardo Ermida, Elisabete Silvestre Santos, Fábio Costa, Felícia Silva, Francisco Mascarenhas, Gonçalo Ferreira, Gonçalo Henriques, Gonçalo Jordão, Gonçalo Ramos, Gonçalo Terenas, Gustavo Marques, Hugo Silva, Inês Carapeta, Inês César, Inês Fernandes, Inês Nunes, Inês Pinheiro, Inês Silva, Inês Soares, Irene Morais, Isabel Teixeira, Jéssica Cardoso, Jéssica Carina Moreira, Jéssica Sodré, Joana Azevedo, Joana Belo, Joana Brito, Joana Castanheira, Joana Gonçalves, Joana Leão Selorinda, Joana Morais, Joana Sales, Joana Teodoro, João Branco, João Carreiras, João Gomes, João Guilherme Silva, João Pinto, José Cardoso, Jucátia Mota, Leonor Amaro, Liliana Natividade, Luís Araújo, Luís Sobral, Madalena Barata, Manuel Gonçalves, Márcia Pimenta, Margarida Duarte, Margarida Gaisita, Margarida Lopes, Margarida Rafael, Margarida Silva, Margarida Vasques, Maria Correia, Maria Flor Silva, Maria Magalhães, Maria Margarida Sousa, Mariami Gasviani, Mariana Ferreira, Mariana Matos, Mariana Pereira, Mariana Rosa, Mariana Simão, Marlene Guerreiro, Matilde Sardinheiro, Maura Couteiro, Mauro Batista, Miguel Carmo, Mónica Duarte, Mónica Figueira, Nuno Alexandre Pires, Nuno Carvalho, Patrícia Beco, Patrícia Duarte, Patrícia Fernandes, Patrícia Monteiro, Paulo Dias, Pedro Carvalho, Pedro Figueiredo, Pedro Francisco, Pedro Pena, Pedro Sousa, Rafael Antunes, Raquel Bacalhau, Ricardo Lopes, Ricardo Pé-Leve, Rita Cordeiro, Rita Evangelho, Rita Ramos, Rita Santos, Samuel Neves, Sara Santos, Sara Viegas, Sofia Pombas Caetano, Sofia Santos, Suazilene Sacramento, Susana Camala, Teresa Lourenço, Tiago Lourenço, Vanessa Major, Vítor Manteigas, Vitória Francisca, Vladimir Silva e Whitney Aprel.

Na próxima sessão das “Conversas na Aldeia Global“, dedicadas ao caminho para um futuro sustentável e à Agenda 2030, que terá lugar já amanhã, dia 14 de setembro, às 21h30m, no Auditório da Biblioteca Municipal de Oeiras, com moderação de Vasco Trigo, Luísa Schmidt irá falar sobre “Ambientes de Mudança

Conversas na Aldeia Global | Futuro Sustentável: Ambientes de Mudança, com Luísa Schmidt

Pretende-se discutir em que medida estão a surgir «Ambientes de Mudança» e com enfoque nas nove áreas do ambiente abordadas no seu mais recente livro — águas, resíduos, ar, alterações climáticas, energia, território, conservação da Natureza, mar e cidadania.

Numa perspetiva ambiental, recuperam-se alguns dos problemas que compõem as agendas nacionais e internacionais e de difícil resolução, caso dos grandes incêndios deste verão que cíclica e tragicamente devastam o país, da poluição dos rios, da ocupação do litoral ou da suburbanização imparável.

Luisa Schmidt é investigadora no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, onde leciona e desenvolve vários projetos que articulam ciências sociais e ambiente. Membro do Conselho Nacional de Ambiente e Desenvolvimento Sustentável e do European  Environment Advisory Council. Faz parte do núcleo de fundadores do OBSERVA: Observatório de Ambiente, Sociedade e Opinião Pública. É autora da série televisiva «Portugal, um Retrato Ambiental» e de diversos livros na área do ambiente. Com a coluna «Qualidade Devida» que mantém no Jornal Expresso desde 1990, tem contribuído para a divulgação e debate dos problemas ambientais.

Litter Less Campaign é um projeto internacional coordenado pela Foundation for Environmental Education (FEE), que desafia jovens de 9 países da rede Jovens Repórteres para o Ambiente a observar, interpretar, reportar e encontrar soluções mais sustentáveis para a problemática dos resíduos e que em Portugal vai já na sua terceira edição.

Depois das participações anteriores (ver #LitterLessCampaign), este ano os estudantes do curso de licenciatura em Saúde Ambiental da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL), Beatriz Luz, Hugo Silva e Sofia Coelho, decidiram explorar um dos problemas ambientais que assolam a orla costeira portuguesa, realizando uma pequena vídeo-reportagem sobre os resíduos de cigarros e as nossas praias (Beatas no chão… NÃO!), entretanto submetida a concurso.

Estima-se que por minuto, o mercado mundial produza perto de 11 milhões de cigarros para dar resposta ao consumo de cerca de 4,5 triliões de cigarros em todo o mundo. Em Portugal, são vendidos mil milhões de cigarros por mês e, assumindo-se que 30% das beatas destes cigarros vão parar ao chão, significa que teremos, a cada minuto, mais 7000 beatas nas ruas portuguesas. Atualmente, sabe-se que as beatas de cigarro são o resíduo que podemos encontrar em maior quantidade nas nossas praias, sendo que as micropartículas, assim como os metais pesados existentes nas beatas, tendem a entrar num ciclo que afeta todo o ecossistema: terra, mar, ar e naturalmente, os animais e os seres humanos. Por todos estes motivos, importa sensibilizar a população em geral, e os fumadores em particular, fazendo-se o diagnóstico daquela que é a realidade nas praias portuguesas, identificando as causas e apontando soluções que tendem a ser estruturais mas que implicam, invariavelmente, a educação para a cidadania.

Ontem, dia 7 de abril, na celebração do Dia Mundial da Saúde (e associado ao “Dia Eco-Escolas”), a Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) saiu à rua numa iniciativa integrada no Programa Eco-Escolas e no projeto Interreg Sudoe ClimACT, que abordou questões associadas, naturalmente, à saúde e ao tema deste ano («Depressão. Vamos falar!»), assim como à mobilidade sustentável.

Rota Eco-Escolas... mexa-se, pela sua saúde e por uma mobilidade sustentável!

Na iniciativa “Let’s Talk and Walk“, para além do exercício físico decorrente da caminhada de 4 quilómetros na qual participaram docentes das áreas cientificas de Saúde Ambiental, Matemática e Física, assim como um número significativo de estudantes, que aproveitaram a ocasião para se conhecerem melhor e, por exemplo, identificarem interesses comuns,  identificaram-se também situações passíveis que criar constrangimentos a uma mobilidade sustentável. Para este efeito, as estudantes do curso de licenciatura em Saúde Ambiental da ESTeSL Ana Roque e Patrícia Duarte, adaptaram uma lista de verificação que os participantes na caminhada usaram de forma a identificar eventuais constrangimentos a uma mobilidade sustentável.

A iniciativa “Rota Eco-Escolas“, coordenada pela ABAE | Programa Eco-Escolas, integra-se no tema mobilidade sustentável  e visa alertar a comunidade escolar para a importância de uma mobilidade mais segura, eficiente e inclusiva, através do envolvimento das crianças e jovens, professores, encarregados de educação, assistentes e auxiliares, na deteção de problemáticas na mobilidade em redor do edifício da escola e em todo o restante concelho. Pretende-se com a iniciativa que a população seja mais interventiva na comunidade local, e que seja estabelecido contacto mais direto com o município.

O desafio “Rota Eco-Escolas“, consiste em assinalar na plataforma SIG da Rota da Mobilidade as sugestões de melhoria ao nível da mobilidade do município.

Hora do Planeta 2017

Ainda antes da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) ter aderido formalmente ao Programa Eco-Escolas, que a celebração da Hora do Planeta tem vindo a ser uma prática recorrente, seja desligando apenas as luzes ou, já enquanto Eco-Escola, dinamizando algumas atividades que podem ser consultadas na categoria Hora do Planeta.

Se a Hora do Planeta, iniciativa promovida pela WWF, é a maior iniciativa à escala mundial de luta contra as alterações climáticas, que pretende envolver Cidadãos Comuns, Governos, Organizações e Empresas numa ação conjunta para sensibilizar os menos atentos para os efeitos do aquecimento global, importa agora garantir que cada um de nós, individualmente, assuama um papel relevante e parta para a ação.

Hora do Planeta 2017, o momento em que as luzes se apagarão durante 60 minutos num ato simbólico de preocupação ambiental, começando na Austrália e percorrendo todo o globo terrestre, acontecerá no dia 25 de março, entre as 20h30m e as 21h30m, e o desafio este ano vai para além da simples adesão institucional.

JUNTA-TE A NÓS!

Está a chegar a Hora e tu não podes ficar indiferente.
No dia 25 de março, entre as 20h30m e as 21h30m, desliga as luzes e mostra o teu compromisso para com o Planeta.
Seja onde for, ILUMINA ESTA IDEIA!

Hora do Planeta 2016Ainda antes da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) ter aderido formalmente ao Programa Eco-Escolas, que a celebração da Hora do Planeta tem vindo a ser uma prática recorrente, seja desligando apenas as luzes ou, já enquanto Eco-Escola, dinamizando algumas atividades que podem ser consultadas na categoria Hora do Planeta.

Se a Hora do Planeta, iniciativa promovida pela WWF, é a maior iniciativa à escala mundial de luta contra as alterações climáticas, que pretende envolver Cidadãos Comuns, Governos, Organizações e Empresas numa ação conjunta para sensibilizar os menos atentos para os efeitos do aquecimento global, importa agora garantir que cada um de nós, individualmente, parta para a ação.

Hora do Planeta 2016, o momento em que as luzes se apagarão durante 60 minutos num ato simbólico de preocupação ambiental, começando na Austrália e percorrendo todo o globo terrestre, acontecerá no dia 19 de março, entre as 20h30m e as 21h30m, e o desafio este ano vai para além da simples adesão institucional.

Este ano queremos que tu, sim tu!!… Queremos que tu tenhas um papel ativo nesta iniciativa. Em casa, na rua, seja onde for, celebra a Hora do Planeta (e o Dia do Pai) à luz daquela que é A Melhor Vela do Mundo com kits “De Fio a Pavio” e mostra-nos como o fizeste. Regista o momento e partilha-o connosco… aqui!

No dia 19 de março, durante a Hora do Planeta, desliga-te e mostra-nos como foi.

I DO BELIEVE!... #COP21Irá ter lugar em Paris, entre os próximos dias 30 de novembro e 11 de dezembro, a Conferência das Nações Unidas para as Alterações Climáticas (COP21).

As alterações climáticas apresentam-se como a maior ameaça ambiental do século XXI, com implicações significativas tanto a nível económico, social e, naturalmente, ambiental, razão pela qual as consequências serão (e são!) sentidas de forma transversal pelo cidadão comum, empresas, governos, economia e pelos ecossistemas.

Se é verdade que as alterações climáticas sempre se têm verificado ao longo da existência do planeta Terra, também é verdade que nos últimos anos, nomeadamente desde a revolução industrial, o ritmo dessas mudanças tem ocorrido de forma mais célere e perspetiva-se que tome proporções alarmantes (mais!) se não forem tomadas medidas.

Fenómenos como as ondas de calor (e secas), vagas de frio e catástrofes “naturais” são  cada vez mais frequentes, e as consequentes daí decorrentes são, de facto, uma ameaça real para as economias mundiais e para a humanidade.

No centro destas questão estão os designados gases de efeito estufa, cujas emissões, principalmente de origem antropogenética, têm sido objeto de um aumento significativo. O dióxido de carbono (CO2) é o principal gás associado ao aumento do efeito estufa, e são consequência direta do uso/queima de combustíveis fósseis.

Atendendo à proximidade da COP21 e à premência de se garantir um acordo entre as partes, para que assim se consiga reverter a atual situação ambiental, surge a atividade “I DO BELIEVE!… #COP21” (“EU ACREDITO!… #COP21”) onde, durante os Global Action Days e até à véspera da Conferência, faremos notar o nosso apoio aos líderes mundiais para que, de facto, esse almejado acordo seja firmado. E tu, ACREDITAS?…

#COP21 #Paris2015 #ActOnClimate #GlobalActionDaysPortugal




Introduza o seu e-mail


Janeiro 2018
S T Q Q S S D
« Nov    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  
Categorias
Parceiros