Archive for the ‘Alterações Climáticas’ Category

Hoje, último dia oficial dos três dias de luto pelas vítimas do incêndio que deflagrou no Município de Pedrógão Grande, decretado pelo Governo como forma de pesar de toda a população nacional pela perda dessas vidas (ver Decreto n.º 18-A/2017 de 19 de junho) e que nos tem feito manter a bandeira de Portugal e a Bandeira Verde (do Programa Eco-Escolas) a meia haste, damos a conhecer o comunicado da Associação Bandeira Azul da Europa (ABAE) sobre Floresta, Incêndios e Educação, que subscrevemos.

Floresta, Incêndios e Educação e o luto nacional, com as bandeiras a meia haste...

Portugal precisa de mais Oxigénio!

É com profundo pesar que a Associação Bandeira Azul da Europa (ABAE) acompanha o flagelo dos incêndios que ocorrem no Centro do País. A ABAE apresenta as condolências aos familiares e amigos das vítimas, e sublinha o seu apoio aos bombeiros e a todas as pessoas que ajudam a combater os incêndios e a apoiar as suas vítimas.

A ABAE recomenda ainda a todas as entidades galardoadas no âmbito dos seus Programas (praias, marinas, embarcações, escolas, municípios, freguesias, estabelecimentos de alojamento e restauração) que coloquem as bandeiras a meia haste durante os três dias de luto nacional.

Além deste gesto simbólico de solidariedade às vítimas, a ABAE compromete-se ainda a desenvolver juntamente com entidades públicas e privadas que se queiram associar aos programas e projetos em questão, um conjunto de novas iniciativas de âmbito nacional sobre as florestas, visando amplificar o trabalho de educação ambiental para a sustentabilidade que já é realizado, pois consideramos que o melhor caminho é a prevenção!
E a prevenção passa pela Educação de todos: crianças, jovens, cidadãos adultos, autarcas e decisores.

No Programa Eco-Escolas, o tema “Floresta” passará a ser um tema obrigatório a tratar pelas Escolas que participam no Programa já no próximo ano letivo, além dos atuais Água, Resíduos e Energia (nota: uma especial palavra de conforto às 2 Eco-Escolas de Pedrogão Grande).
No Programa Bandeira Azul, que conta com várias praias fluviais que também foram afetadas, serão promovidas mais atividades de educação ambiental sobre as florestas junto dos utentes das praias, marinas e portos de recreio. E ainda, no Programa ECOXXI e projeto Eco-Freguesias XXI, dirigido às autarquias, serão reforçados os indicadores de avaliação na área “Florestas”.

A gestão do território é essencial para prevenir que catástrofes como esta voltem a acontecer. Com as alterações climáticas, Portugal tem de estar melhor preparado, através da educação e do trabalho a nível local, municipal e nacional. É urgente por em prática a limpeza atempada e adequada das áreas florestais, o controlo das espécies invasoras, a replantação das árvores autóctones, o cumprimento efetivo da legislação, assim como a construção e manutenção de aceiros e cortinas de segurança, entre outros aspetos, e com ênfase na educação ambiental de toda a sociedade. É tempo de mudar de atitude perante a nossa floresta.

Relembramos por último as recomendações do ICNF para que durante o “Período Crítico” (a ser alargado?) nos espaços florestais e agrícolas não é permitido:

  • fumar, fazer lume ou fogueiras;
  • fazer queimas ou queimadas;
  • lançar foguetes e balões de mecha acesa;
  • fumigar ou desinfestar apiários, salvo se os fumigadores estiverem equipados com dispositivos de retenção de fagulhas;
  • a circulação de tratores, máquinas e veículos de transporte pesados que não possuam extintor, sistema de retenção de fagulhas ou faíscas e tapa chamas nos tubos de escape ou chaminés.

Vamos todos ajudar a cuidar das Florestas!
Precisamos de mais Oxigénio!

José Archer
Presidente da Associação Bandeira Azul da Europa

Em pleno Dia Mundial do Ambiente, evento que se celebra anualmente a 5 de junho e que tem como objetivo alertar as populações e os governos para a necessidade de garantir a proteção e a preservação do ambiente, divulgamos o nosso Eco-Código que é cumulativamente o Código Climático, dando assim cumprimento a uma das atividades previstas no projeto ClimACT (#InterregSudoeClimACT).

Poster Eco-Código e Código Climático da ESTeSL (2017)
Estamos a pouco dias de começar uma longa época de avaliações (último momento de avaliação e exames) e a semanas de terminar mais um ano de intenso trabalho associado à implementação do Programa Eco-Escolas e do projeto Interreg Sudoe ClimACT na Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL). Após a adoção da metodologia de trabalho subjacente à sua efetiva implementação, que culmina com a elaboração e divulgação do Eco-Código | Código Climático (Conselho Eco-Escola/Comissão Baixo Carbono, Auditoria Ambiental, Plano de Ação, Monitorização, Trabalho Curricular, Informação e Envolvimento da Comunidade Local e, por último, Eco-Código/Código Climático), apresentamos-vos aquele que é o Poster Eco-Código e Código Climático concebido este ano e cujo conteúdo vai de encontro àquilo que havia sido definido no Plano de Ação.

Feliz Dia Mundial do Ambiente!…

Realiza-se no próximo dia 29 de Maio de 2017, no Auditório do Instituto de Soldadura e qualidade (ISQ), no Taguspark, em Oeiras, o Seminário “Descarbonização da Economia – Novos Desafios para os Edifícios“.

Descarbonização da Economia - Novos Desafios para os Edifícios

Este evento tem como objetivo apresentar dois projetos de investigação europeus, o MOEEBIUS e o ClimACT, e ao mesmo tempo divulgar os mais recentes desenvolvimentos no enquadramento, implementação e financiamento da eficiência energética em edifícios.

PROJETO CLIMACT | ClimACT – “Acting for the transition to a low carbon economy in schools – development of support tools” visa promover a transição para uma economia de baixo carbono no sector da educação, criando uma rede temática na região SUDOE e utilizando uma metodologia de Living Lab para apoiar o desenvolvimento de ferramentas inovadoras e modelos de negócios específicos para escolas. As soluções desenvolvidas serão validadas em 35 escolas demonstradoras localizadas em Portugal, Espanha, França e Gibraltar.

PROJETO MOEEBIUS | MOEEBIUS – “Modelling Optimization of Energy Efficiency in Buildings for Urban Sustainability” introduz uma metodologia holística de otimização da eficiência energética, com o objetivo de melhorar as estratégias atuais de modelação e disponibilizar ferramentas de simulação inovadoras capazes de descrever a operação dos edifícios em contexto real. As soluções desenvolvidas serão validadas em diversos tipos de edifícios localizados em Portugal, no Reino Unido e na Sérvia.

A inscrição é gratuita mas obrigatória.

Interreg Sudoe ClimACT (webpage)

O Interreg Sudoe ClimACT já tem disponível uma webpage dedicada especificamente ao projeto, a partir da qual poderão, de forma complementar à página do Facebook, seguir todas as atividades e ficar a saber um pouco mais acerca da “transição para uma economia de baixo carbono nas escolas” e onde a Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) surge como uma das escolas piloto.

Relembramos que o ClimACT encontra-se alicerçado em quatro linhas de atuação, nomeadamente: (i) desenvolvimento de ferramentas de apoio à decisão que permitirão às escolas aumentar sua eficiência energética, através da gestão inteligente de recursos, energias renováveis e alteração de comportamentos; (ii) desenvolvimento de modelos de negócio e de novas estratégias de gestão energética para as escolas; (iii) desenvolvimento de ferramentas educacionais para a sensibilização em baixo carbono; e (iv) criação de uma rede temática/Living Lab na região SUDOE (Sudoeste Europeu) para promover a consciencialização e capacitação, tendo sido submetido ao programa Interreg SUDOE, que visa promover a cooperação transnacional para resolver problemas comuns às regiões do Sudoeste Europeu, estando entretanto aprovado e inserido no eixo prioritário “Economia de Baixo Teor de Carbono”.

Ontem, dia 7 de abril, na celebração do Dia Mundial da Saúde (e associado ao “Dia Eco-Escolas”), a Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) saiu à rua numa iniciativa integrada no Programa Eco-Escolas e no projeto Interreg Sudoe ClimACT, que abordou questões associadas, naturalmente, à saúde e ao tema deste ano («Depressão. Vamos falar!»), assim como à mobilidade sustentável.

Rota Eco-Escolas... mexa-se, pela sua saúde e por uma mobilidade sustentável!

Na iniciativa “Let’s Talk and Walk“, para além do exercício físico decorrente da caminhada de 4 quilómetros na qual participaram docentes das áreas cientificas de Saúde Ambiental, Matemática e Física, assim como um número significativo de estudantes, que aproveitaram a ocasião para se conhecerem melhor e, por exemplo, identificarem interesses comuns,  identificaram-se também situações passíveis que criar constrangimentos a uma mobilidade sustentável. Para este efeito, as estudantes do curso de licenciatura em Saúde Ambiental da ESTeSL Ana Roque e Patrícia Duarte, adaptaram uma lista de verificação que os participantes na caminhada usaram de forma a identificar eventuais constrangimentos a uma mobilidade sustentável.

A iniciativa “Rota Eco-Escolas“, coordenada pela ABAE | Programa Eco-Escolas, integra-se no tema mobilidade sustentável  e visa alertar a comunidade escolar para a importância de uma mobilidade mais segura, eficiente e inclusiva, através do envolvimento das crianças e jovens, professores, encarregados de educação, assistentes e auxiliares, na deteção de problemáticas na mobilidade em redor do edifício da escola e em todo o restante concelho. Pretende-se com a iniciativa que a população seja mais interventiva na comunidade local, e que seja estabelecido contacto mais direto com o município.

O desafio “Rota Eco-Escolas“, consiste em assinalar na plataforma SIG da Rota da Mobilidade as sugestões de melhoria ao nível da mobilidade do município.

Hora do Planeta 2017

Ainda antes da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) ter aderido formalmente ao Programa Eco-Escolas, que a celebração da Hora do Planeta tem vindo a ser uma prática recorrente, seja desligando apenas as luzes ou, já enquanto Eco-Escola, dinamizando algumas atividades que podem ser consultadas na categoria Hora do Planeta.

Se a Hora do Planeta, iniciativa promovida pela WWF, é a maior iniciativa à escala mundial de luta contra as alterações climáticas, que pretende envolver Cidadãos Comuns, Governos, Organizações e Empresas numa ação conjunta para sensibilizar os menos atentos para os efeitos do aquecimento global, importa agora garantir que cada um de nós, individualmente, assuama um papel relevante e parta para a ação.

Hora do Planeta 2017, o momento em que as luzes se apagarão durante 60 minutos num ato simbólico de preocupação ambiental, começando na Austrália e percorrendo todo o globo terrestre, acontecerá no dia 25 de março, entre as 20h30m e as 21h30m, e o desafio este ano vai para além da simples adesão institucional.

JUNTA-TE A NÓS!

Está a chegar a Hora e tu não podes ficar indiferente.
No dia 25 de março, entre as 20h30m e as 21h30m, desliga as luzes e mostra o teu compromisso para com o Planeta.
Seja onde for, ILUMINA ESTA IDEIA!

Teve lugar esta tarde, dia 23 de fevereiro, uma reunião permanente do Conselho Eco-Escolas e, cumulativamente, da Comissão Baixo Carbono da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL). Esta reunião, exclusivamente com conselheiros da comunidade académica, contou com a participação da professora Graça Andrade, Vice-Presidente da ESTeSL (conselheira representante da Presidência), para além dos coordenadores do Programa Eco-Escolas, professores Ana Monteiro e Vítor Manteigas (igualmente Coordenador Baixo Carbono), assim como de representantes dos estudantes dos diferentes cursos de licenciatura, representantes dos docentes e representantes dos funcionários não docentes. Tendo em conta a integração da ESTeSL no projeto ClimACT, foram convidados a participar na reunião, os elementos da Brigada Baixo Carbono. No decurso da reunião, foi apresentada a metodologia do Programa Eco-Escolas, assim como o projeto ClimACT, tendo sido enfatizado o paralelismo entre ambos e o facto de que nos próximos anos o trabalho desenvolvido no âmbito do Programa Eco-Escolas estar associado ao projeto ClimACT. Foi feita também uma apresentação sumária dos resultados do questionário comportamental aplicado a toda a comunidade académica e que, em conjunto com a auditoria ambiental e energética a realizar em breve, irá contribuir para a definição do Plano de Ação.

Reunião da Comissão Baixo Carbono da ESTeSL (Projeto ClimACT)

Tendo em conta a relevância do projeto ClimACT, enquanto promotor da transição para uma economia de baixo carbono na ESTeSL, que implicará o envolvimento de todos (sem exceção!), é expectável ter-se em breve (em data ainda a determinar), uma sessão aberta a toda a comunidade académica e onde se espera poder contar com a presença dos conselheiros externos, para uma apresentação pública do ClimACT.




Introduza o seu e-mail


Agosto 2017
S T Q Q S S D
« Jul    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  
Categorias
Parceiros