O desafio “Uma gota de água, uma gota de óleo” resultante de uma parceria entre Associação Bandeira Azul da Europa | Eco-Escolas e a PRIO, pretende com o projeto PRIO Top Level motivar as crianças, jovens, professores e família para um maior conhecimento acerca das questões que se relacionam com a importância da correto encaminhamento dos óleos alimentares usados no local adequado e particularmente para os impactos negativos na qualidade da água, para que estes estejam recetivos à introdução de mudanças de hábitos no dia-a-dia.

Posto isto, e dependendo dos níveis de ensino, foram propostos às escolas desafios que visavam por um lado motivar a investigação acerca do tema proposto e, por outro, incentivar mudanças quotidianas não só nas crianças e jovens em contexto escolar, mas também, por inerência, em casa, na família e na comunidade. O desafio consistiu na realização de um projeto em torno da temática dos óleos alimentares usados, sendo a apresentação do trabalho de cada escola levado a concurso e onde foram premiados os produtos desenvolvidos que se destacaram.

Por parte da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL), que participou no desafio “porquê reciclar os óleos alimentares usados“, os estudantes Cátia Rodrigues, Manuel Gonçalves e Mauro Batista realizaram uma vídeo-campanha que já havíamos publicado (ver Uma Gota de Água, Uma Gota de Óleo) e que acabou por conquistar o terceiro lugar.

Muitos parabéns aos estudantes, por mais esta conquista…

Integrado no Programa Eco-Escolas (EcoCampus), o projeto Eco-Trilhos, inspirado no conceito dos Trilhos da Ciência ou Trilhos do Ambiente, pretende motivar para o conhecimento do território próximo da escola incentivando à criação de trilhos que através da sugestão de experiências e atividades, dêem a conhecer características ambientais e de sustentabilidade desses mesmos percurso, como por exemplo o património natural ou cultural.

Eco-Trilho da Floresta (ESTeSL)

As escolas foram desafiadas a apresentar Eco-Trilhos onde fossem abordadas uma de duas temáticas como os Trilhos da Floresta ou Trilhos do Mar e a Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL), fruto do trabalho das estudantes Cristiana Costa, Dalila Gonçalves, Elisabete Santos e Suazilene Sacramento, submeteu um Eco-Trilho da Floresta que acabou por ficar em 3.º lugar Ex-aequo no concurso nacional.

Muitos parabéns!!

O programa Jovens Repórteres para o Ambiente (JRA) é um programa internacional da Foundation for Environmental Education implementado em Portugal pela Associação Bandeira Azul da Europa (ABAE), que pretende contribuir para o treino do exercício de uma cidadania ativa e participativa, enfatizando a vertente do jornalismo ambiental.

O Concurso Nacional JRA tem como objetivo premiar as melhores reportagens sobre sustentabilidade efetuadas pelos jovens portugueses ao longo do ano letivo, sendo que cada escola pode participar apresentando até duas reportagens em cada categoria. Este ano a ABAE recebeu 274 trabalhos, distribuídos pelas 4 categorias: artigos (137), fotorreportagem (105) e vídeos (43), fotocampanha (44) e vídeo-campanha (15).

A Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) submeteu trabalhos em cada uma das categorias, fruto do empenho dos estudantes da nossa escola e que acabou por se materializar na atribuição de vários prémios, nomeadamente:

Menção honrosa na categoria de videorreportagem (“Greve Estudantil pelo Clima” das estudantes Ana Santos, Bruna Silva, Inês Rocha e Rita Relvas do 1.° ano de Saúde Ambiental)

Segundo lugar na categoria de artigo (“Criadouros de mosquitos colocam a saúde pública em alerta!” das estudantes Fabiana Clérigo, João Anjos e Sandra Ferreira do 1.° ano de Saúde Ambiental).

Segundo lugar na categoria de vídeo-campanha (“A natureza está de olho em ti…” dos estudantes Adriana Porto, Andreia Silva, João Pinto e Luís Araújo do 2.° ano de Saúde Ambiental).

Primeiro lugar na categoria de fotocampanha (“Somos o que comemos!” dos estudantes Adriana Porto, Andreia Silva, Catarina Teixeira, Joana Azevedo, João Pinto, Leonor Amaro, Luís Araújo, Mauro Batista, Mónica Figueira, Nuno Pires, Patrícia Fernandes, Raquel Bacalhau e Vladimir Silva do 2.° ano de Saúde Ambiental).Somos o que comemos

Conscientes do esforço suplementar que lhes é exigido para a realização destes trabalhos, muitas das vezes à margem das atividade académicas e que não raras vezes implicam metodologias diferenciadoras, deixamos aqui os nossos parabéns (e o nosso obrigado!) pelo excelente desempenho.

Próximos que estamos do período de férias, é chegado o momento da Associação Bandeira Azul da Europa (ABAE) começar a dar a conhecer as escolas e os trabalhos premiados nos vários projetos e desafios dos programas Eco-Escolas e Jovens Repórteres para o Ambiente.

Depois da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) ter alcançado a posição 9 de entre as quase 130 escolas que submeteram o seu Póster Eco-Ecódigo na versão digital e que esteve em votação online até ao passado dia 15 de julho, é com muito agrado que damos a notícia de que fomos merecedores de uma menção honrosa na atividade criativa “upcycling: construir um brinquedo, utilizando REEE” da Geração Depositrão.

Honrosa Geração Depositrão

Para a realização do projeto foram utilizados diversos resíduos de equipamentos elétricos e eletrónicos e pilhas provenientes do Depositrão da ESTeSL, alguns trazidos pelos próprios estudantes, que foram usados para a construção do brinquedo, que representa um edifício icónico do Parque das Nações, a Torre Vasco da Gama.

Começando pela base que sustenta a estrutura do projeto utilizou-se uma placa encontrada no contentor à porta da escola, que foi pintada de verde e azul para dar a ideia de relva e rio, respetivamente, elementos esses presentes na zona que rodeia a Torre Vasco da Gama. De seguida usou-se um computador pessoal (desktop) para representar o hotel MYRIAD e as teclas de dois teclados para dar uma ideia de janelos do hotel.
Para a torre, utilizaram-se duas extensões, um esterilizador e um transformador, fonte de alimentação de um portátil, encimado pela bandeira de Portugal. Para a estrutura que lhe confere um perfil de vela enfunada, em homenagem aos navios portugueses que saíram do Tejo para descobrir o mundo, utilizaram-se fois de headphones estragados, para as laterais, e o fio de uma das extensões usadas, para o cabo principal. Para dar um toque final, foram utilizadas pilhas e fios que restaram do anterior processo, para fazer a vedação que separa o rio da pista pedonal encontrada no local. Para a concretização do projeto foram utilizados dois teclados, um computador desktop, duas extensões, um transformador, quadro pilhas, um esterilizador, vários fios e uma placa de madeira, tendo-se usado ainda tinta de água, pistola de cola quente e os respetivos tubos de cola, cola líquida, tesoura, papel, impressora e computador.

Os estudantes que participaram na atividade criativa (Adriana Almeida, Gonçalo Ferreira, José Marques e Nuno Alexandre), voluntariaram-se para o efeito, de entre os vários desafios apresentados no âmbito da unidade curricular de Gestão de Resíduos do curso de licenciatura em Saúde Ambiental, tendo-lhes sido dada autonomia para a realização do trabalho nas aulas de tipologia teórico-prática.

Somos uma honrosa Geração Depositrão!…

Terminou ontem, dia 5 de julho, a primeira edição da “Eco-Feira do Livro” da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL), que teve como mote “oferece novos leitores aos teus livros usados” e que pretendia também promover as leituras de verão pela comunidade académica da ESTeSL.

No início da atividade haviam já 23 livros angariados, doados por alguns membros do Conselho Eco-Escolas, sendo que no decurso da semana registaram-se mais de 200 movimentos de livros (receberam-se 150 e entregaram-ses 59), terminando-se a atividade com um saldo de 91 títulos disponíveis, o que nos possibilita adiantar ser a “Eco-Feira do Livro” um caso de sucesso! Muito obrigado a tod@s…

Posteriormente, iremos tentar a criação de um espaço permanente de troca de livros usados.

Associado à campanha Planet or Plastic da National Geographic, o desafio #PlanetorPlastic,pretende dar expressão à modalidade “campanha”, propondo a apresentação de uma fotografia  que apele à redução, substituição e correta manipulação dos plásticos, por forma a evitar a crescente contaminação dos oceanos.

Seguindo essa premissa, alguns estudantes da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) realizaram trabalhos no decurso do ano letivo, devidamente enquadrados em diferentes unidade curriculares. Das mais de cinquenta fotografias submetidas a nível nacional, as três da autoria de estudantes da ESTeSL foram selecionadas e figuram agora na lista dos treze trabalhos finalistas, cujos vencedores serão divulgados no site da National Geographic, assim como na revista Fórum Estudante.

#PlanetorPlastic by ESTeSL

Independentemente do resultado final, damos, desde já, os parabéns aos estudantes do curso de licenciatura em Saúde Ambiental da ESTeSL, Adriana Porto, Andreia Silva, Catarina Teixeira, Cristiana Costa, Dalila Gonçalves, Elisabete Santos, Joana Azevedo, João Pinto, Leonor Amaro, Luís Araújo, Mauro Batista, Mónica Figueira, Nuno Pires, Patrícia Fernandes, Raquel Bacalhau, Suazilene Sacramento e Vladimir Silva, pelo mérito dos seus trabalhos (ver publicações originais no portal Jovens Repórteres para o Ambiente “Os rios: a porta de entrada das toneladas de plástico“, “A Refeição Diário da nossa Fauna Marinha” e “Somos o que comemos“)

A Associação Bandeira Azul da Europa convida toda a comunidade Eco-Escolas a votar até ao próximo dia 15 de julho, naquele que for o seu Eco-Código preferido, onde serão premiados os 3 trabalhos com maior número de “gostos”. A nossa escola tem a concurso um poster com o seu Eco-Código e o vosso “voto” pode fazer a diferença.

Para poderem contribuir para o sucesso do Eco-Código ESTeSL basta terem um perfil registado no Facebook e, depois de acederem ao nosso poster Eco-Código (clicar AQUI), deixar o vosso “GOSTO”.

Em alternativa, tendo já feito o login no Facebook, poderão “GOSTAR” diretamente na imagem incorporada nesta publicação.

Contamos convosco!

Para a realização do Eco-Código e respectivo poster, envolveram-se diretamente todos os conselheiros e alguns estudantes do curso de licenciatura em Saúde Ambiental, a quem foi solicitado que propusessem frases, tendo em conta os temas obrigatórios (água, resíduos e energia) e os temas do ano (mar e floresta), indo de encontro também ao Plano de Ação previamente definido.
Foi pedido a cada um dos membros do Conselho Eco-Escolas que, com a colaboração dos colegas dos respetivos cursos de licenciatura (no caso dos estudantes), sugerissem frases tendo em conta os pressupostos anteriores, visando a criação ou alteração de atitudes e comportamentos conducentes à melhoria do ambiente tanto na escola como em casa.
As cores predominantes no poster são as cores características da ESTeSL (verde e bordeaux) para que haja esse elemento de ligação à instituição. A imagem (composição de imagens), representa aquilo que todos nós, individualmente ou na qualidade de docentes, não docentes ou estudantes dos diferentes cursos, podemos fazer para melhorar o desempenho ambiental da Escola mas também do planeta. Todas as etapas foram realizadas sob orientação do professor coordenador, sendo que a versão final foi sujeita à aprovação e propostas de melhoria  dos elementos do Conselho Eco-Escolas.

Grupo de Trabalho
Alexandra Matos, Ana Fernandes, Ana Monteiro, Ana Sabino, Andreia Coelho, António Belo, Bela Vilares, Carla Marques, Cătălin Marinescu, Catarina Anastácio, Cristiana Costa, Dalila Gonçalves, Daniel Parreira, Daniela Pasat, Elisabete Santos, Filomena de Sousa, Graça Andrade, Inês César, Inês Francisco, Joana Belo, Maria Gusmão, Mariami Gasviani, Mário Patrício, Mauro Batista, Miguel Gomes, Miguel Meneses, Pedro Rebelo, Rita Pereira, Sérgio Figueiredo, Sílvia Pereira, Simão Quintans, Suazilene Sacramento, Vítor Manteigas e Vladimir Silva.




Introduza o seu e-mail


Agosto 2019
S T Q Q S S D
« Jul    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  
Categorias